Rádio 6970

HF-AUTO RÁDIO LIDER FM

BEM VINDOS AO RODELÃO6970

sábado, 26 de dezembro de 2015

RODELÃO6970

A propagação de onda de rádio e Ionosfera 


Uma visão geral ou tutorial sobre a ionosfera, e como isso afeta a propagação de onda de rádio e comunicações de rádio.

PARTE 2

Como as ondas eletromagnéticas, e, neste caso, os sinais de rádio viajam, eles interagem com os objetos e os meios de comunicação em que viajam. Como eles fazem isso, os sinais de rádio pode ser refletida, refratada ou difratado. Estas interacções fazem com que os sinais de rádio para mudar de direção, e para chegar a áreas que não seriam possíveis se os sinais de rádio viajou em uma linha direta.
A ionosfera é uma região particularmente importante no que respeita à propagação do sinal de rádio e comunicações de rádio em geral. Suas propriedades governar as maneiras pelas quais as comunicações de rádio, particularmente nas bandas HF de comunicação de rádio ocorrem.
A ionosfera é uma região da atmosfera superior, onde há grandes concentrações de íons e elétrons livres. Enquanto os íons dar a ionosfera seu nome, mas são os elétrons livres que afetam as ondas de rádio e comunicações de rádio. Em particular, a ionosfera é amplamente conhecido por afetar os sinais nas bandas de rádio de ondas curtas em que "reflete" sinais que permitem estes sinais de radiocomunicações a ser ouvido através de grandes distâncias. As estações de rádio têm utilizado as propriedades da ionosfera para que possam fornecer cobertura comunicações de rádio em todo o mundo. Embora hoje em dia, os satélites são amplamente utilizados, comunicações de rádio HF usando a ionosfera ainda desempenha um papel importante no fornecimento de cobertura de rádio em todo o mundo.
A ionosfera se estende ao longo de mais do que uma das áreas meteorológicas, englobando o mesosphere e thermosphere, é uma área que é caracterizado pela existência de iões positivos (e mais importante para os sinais de rádio electrões livres) e é a partir da existência do íons que ele ganha o seu nome.

Basics

Os electrões livres não aparecem sobre a totalidade da atmosfera. Em vez disso, verifica-se que o número de elétrons livres começa a subir a altitudes de aproximadamente 30 km. No entanto, não é, até altitudes de cerca de 60 a 90 km são atingidos que a concentração é suficientemente alta para começar a ter um efeito significativo sobre os sinais de rádio e, consequentemente, sobre os sistemas de comunicação de rádio. É a este nível que a ionosfera pode ser dito para iniciar.
A ionização na ionosfera é causada principalmente pela radiação do Sol Além disso, as temperaturas muito elevadas e o resultado de baixa pressão nos gases nos alcances superiores da atmosfera existente principalmente em um formulário monatomic em vez de existir como moléculas. A altitudes menores, os gases são na forma molecular normal, mas como a altitude aumenta as formas monoatômicos são mais em abundância, e em alturas de cerca de 150 km, a maior parte dos gases são de uma forma monoatômico. Isto é muito importante, pois verificou-se que as formas de monoatômicos os gases são muito mais fácil do que para ionizar as formas moleculares.

Ionização

O sol emite radiação de vastas quantidades de todos os comprimentos de onda e este se desloca em direcção a terra, em primeiro lugar alcançar as áreas exteriores da atmosfera. Ao criar a ionização verifica-se que, quando a radiação de intensidade suficiente atinge um átomo ou uma molécula, a energia pode ser removida a partir da radiação e um electrão removido, produzindo um electrão livre e um ião positivo. No exemplo apresentado a seguir, o exemplo de um simples átomo de hélio é dar, embora outros gases, incluindo oxigénio e azoto são muito mais comuns.

Ionização de moléculas pela radiação solar
Ionização de moléculas pela radiação solar

A radiação do Sol cobre um vasto espectro de comprimentos de onda. No entanto, em termos do efeito que tem sobre os átomos de moléculas que podem ser consideradas como fotões. Os elétrons nos átomos ou moléculas podem ser considerados como orbitando o núcleo central constituído por prótons e nêutrons. Os elétrons são amarrada ou ligada à sua órbita ao redor do núcleo por forças eletro-estática, o elétron é negativamente carregada e o núcleo é carregado positivamente. Há um número igual de elétrons e prótons em qualquer molécula e, como resultado, é eletro-estaticamente neutra.
Quando um fóton atinge o átomo, molécula ou, o fóton transfere sua energia ao elétron como o excesso de energia cinética. Em algumas circunstâncias, este excesso de energia pode exceder a energia de ligação no átomo ou molécula de electrões e a escapa a influência da carga positiva do núcleo. Isto deixa um núcleo ou iões carregados positivamente e de electrões de carga negativa de um, embora, como há o mesmo número de iões positivos e electrões negativos todo o gás continua com uma carga global neutra.
A maior parte da ionização na ionosfera os resultados a partir de luz ultravioleta, embora isto não significa que outros comprimentos de onda não têm algum efeito. Além disso, cada vez que um átomo ou molécula ionizada é uma pequena quantidade de energia é usado. Isto significa que à medida que a radiação passa ainda para a atmosfera, a sua intensidade diminui. É por esta razão que a radiação ultravioleta faz com que a maior parte da ionização nos trechos superiores da ionosfera, mas em altitudes mais baixas do que a radiação é capaz de penetrar ainda causar mais da ionização.Por conseguinte, extremo ultra-violeta e Raios-X dar origem a mais do ionização em altitudes mais baixas. Esta redução destas formas de radiação nos protege na superfície da Terra contra os efeitos nocivos desses raios.
O nível de ionização varia ao longo da extensão da ionosfera, longe de ser constante. Uma razão é que o nível de radiação diminui com a diminuição da altura. Além disso, a densidade dos gases varia.Em adição a isso, há uma variação nas proporções de formas monoatômicos e moleculares dos gases, as formas monoatômicos de gases, sendo muito maior em altitudes mais elevadas. Estes e uma variedade de outros fenômenos significam que existam variações no nível de ionização com a altitude.
O nível da ionização na ionosfera também muda com o tempo. Ela varia com a hora do dia, época do ano, e de acordo com muitas outras influências externas. Uma das principais razões pelas quais a densidade de elétrons varia é que o Sol, que dá origem à ionização é visível apenas durante o dia.Enquanto a radiação do Sol faz com que os átomos e moléculas se dividir em elétrons livres e íons positivos. O efeito inverso também ocorre. Quando um electrão negativa corresponde a uma de ião positivo, o facto de atrair cargas dissemelhantes significa que eles serão puxados um para o outro e que podem combinar-se. Isto significa que dois efeitos opostos da divisão e recombinação estão ocorrendo. Isto é conhecido como um estado de equilíbrio dinâmico. Por conseguinte, o nível de ionização é dependente da taxa de ionização e recombinação. Isso tem um efeito significativo sobre a comunicações via rádio.

Uma vista simplificada das camadas na ionosfera durante o período de um dia
Uma vista simplificada das camadas na ionosfera durante o período de um dia

Outros efeitos como a estação e o estado da Sun também ter um efeito importante. As manchas solares e as perturbações solares têm um grande impacto sobre o nível de radiação recebida, e esses efeitos são abordados em outros artigos neste site sobre manchas solares e as perturbações solares.A estação também tem um efeito. Novamente, isto é coberto em outros artigos no site da Radio-Electronics.Com. No entanto, muito brevemente, a radiação recebida do Sol varia da mesma maneira que o calor do sol varia de acordo com a estação, e, consequentemente, o grau de ionização e electrões livres alterações. No entanto, esta é uma visão muito simplificada como outros fatos também entram em jogo.

Camadas ionosféricas

A visão tradicional da ionosfera indica uma série de camadas distintas, cada um que afetam as comunicações de rádio em formas ligeiramente diferentes. De facto, as primeiras descobertas da ionosfera indicaram que um certo número de camadas estavam presentes. Embora esta seja uma forma conveniente de retratar a estrutura da ionosfera não é exactamente correcto. Ionização existe ao longo de toda a ionosfera, variando o seu nível com a altitude. Os picos de nível podem ser consideradas como as diferentes camadas ou, possivelmente, mais correctamente, regiões. Estas regiões são dados designações da letra: D, E, e F regiões. Há também uma região C abaixo das outras, mas o nível de ionização é tão baixo que não tem nenhum efeito de sinais de rádio e de comunicações de rádio, e raramente é mencionado.

A distribuição típica de electrões na ionosfera
A distribuição típica de electrões na ionosfera

As diferentes camadas ou regiões na ionosfera têm características diferentes e afectam as comunicações de rádio de diferentes maneiras. Há também diferenças na forma exata que eles são criados e sustentados. Em vista disso, vale a pena dar uma olhada mais de perto cada um em detalhe ea forma como eles variam ao longo do dia completo durante a luz e as trevas.

D Região

A região D é o mais baixo das regiões dentro da ionosfera que afeta os sinais de comunicação de rádio em qualquer grau. Ela está presente em altitudes entre cerca de 60 e 90 km ea radiação dentro dele só está presente durante o dia de uma forma que afeta as ondas de rádio visivelmente. Ele é sustentado pela radiação do Sol e os níveis de ionização queda rapidamente ao entardecer, quando a fonte de radiação é removido. É, principalmente, tem o efeito de absorver ou atenuar os sinais de comunicação de rádio em particular nas partes LF e MF do espectro de rádio, reduzindo seu efeito com frequência. À noite, tem pouco efeito sobre a maioria dos sinais de comunicação de rádio, embora haja ainda um nível suficiente de ionização para que refratam sinais de VLF.
A camada é gerado principalmente pela acção de uma forma de radiação conhecida como Lyman radiação que tem um comprimento de onda de 1215 Angstroms e ioniza o óxido nítrico presente em gases da atmosfera. Rígidos Raios-X também contribuem para a ionização, especialmente em direção ao pico do ciclo solar.

E Região

A região acima da região D é região E. Ela existe em altitudes entre cerca de 100 e 125 quilômetros.Em vez de atenuar os sinais de comunicação de rádio esta camada refrata-los, principalmente, muitas vezes, até um ponto onde eles são devolvidos para a terra. Como tal, eles parecem ter se refletido por esta camada. No entanto, esta camada ainda actua como um atenuador para um certo grau.
Como a região D, o nível de ionização cai de forma relativamente rápida após escuro como os elétrons e íons re-combinar e praticamente desaparece na noite. No entanto, o tempo de ionização noite residual na parte inferior da região da E provoca alguma atenuação dos sinais nas porções inferiores da parte HF do espectro de rádio comunicações.
A ionização nesta região resulta de um número de tipos de radiação. Suaves raios X produzem muito da ionização, embora extremo ultra-violeta (EUV) raios (muito curto comprimento de onda de luz ultra-violeta) também contribuem. De modo a que produz radiação de ionização nesta região tem comprimentos de onda entre cerca de 10 e 100 Angstroms. O grau em que todos os constituintes contribuir depende do estado do Sol e da latitude em que as observações são feitas.

F Região

A região mais importante na ionosfera para comunicações de rádio HF de longa distância é a região F.Durante o dia, quando a radiação está sendo recebida do Sol, que muitas vezes se divide em dois, um menor sendo a região de F1 eo um, maior a região F2. Destes região F1 é mais do que um ponto de inflexão na curva de densidade de electrões (visto de cima) e que, geralmente, só existe no verão.
Tipicamente, a camada F1 é encontrada em cerca de uma altitude de 300 quilômetros com a camada F2 acima dela a cerca de 400 quilômetros. A camada F combinada pode, então, ser centrada em torno de 250 a 300 quilômetros. A altura das todas as camadas nas camadas da ionosfera varia consideravelmente e a camada de M varia mais. Como resultado, os valores apresentados só deve ser tomado como um guia. Sendo o maior das regiões ionosféricas é muito afectada pelo estado da Sun, bem como outros fatores, incluindo a hora do dia, o ano e assim por diante.
Os F camada age como um "refletor" de sinais na porção HF do espectro de rádio que permite comunicações de rádio mundiais a ser estabelecida. É a principal região associada com a propagação de sinal HF.
Como as camadas D e E o grau de ionização da região F varia ao longo do dia, caindo a noite como a radiação do sol desaparece. No entanto, o nível de ionização continua a ser muito mais elevado. A densidade dos gases é muito mais baixa e, como resultado da recombinação dos iões e electrões realiza-se mais lentamente, a cerca de um quarto da taxa que ocorre na região da E. Como um resultado desta ainda tem um efeito sobre os sinais de rádio durante a noite sendo capaz de retornar para muitos Terra, embora tenha um efeito reduzido em alguns aspectos.
A região F é a região mais alta na ionosfera e, como tal experimenta a radiação mais energia solar.Grande parte dos resultados de ionização de luz ultra-violeta no centro do espectro, bem como as porções do espectro com comprimentos de onda muito curtos. Tipicamente, a radiação que provoca a ionização é entre os comprimentos de onda de 100 e 1000 Angstroms, embora extremo luz ultra-violeta é responsável por cerca de ionização nas áreas inferiores da região F.

Resumo

A ionosfera é uma área em constante mudança da atmosfera. Estendendo-se desde altitudes de cerca de 60 quilômetros a mais de 400 quilómetros que contém íons e elétrons livres. Os elétrons livres afetar as maneiras em que as ondas de rádio se propagam na região e eles têm um efeito significativo sobre as comunicações de rádio HF.
A ionosfera podem ser categorizadas num número de regiões que correspondem aos picos de densidade de electrões. Estas regiões são denominadas regiões D, E, e F. Em vista do facto de que a radiação do sol é absorvido à medida que penetra na atmosfera, diferentes formas de radiação para dar origem a ionização nas diferentes regiões conforme delineado na tabela de sumário a seguir:
Resumo das formas de radiação, causando ionização na ionosfera.

REGIÃOFORMAS PRIMÁRIAS RADIAÇÕES IONIZANTES
CCósmico
DLyman alfa, rígidos Raios-X
ESuaves Raios-X e alguns Extrema Ultra-Violeta
F1Extrema Ultra-violeta, e alguns Ultra-Violeta
F2Ultravioleta
A ionosfera é uma área em constante mudança. Ele é obviamente afetado pela radiação do Sol, e isso muda como um resultado incluindo aspectos da hora do dia, a área geográfica do mundo, eo estado da Sun. Como um resultado comunicações de rádio que utilizam a mudança ionosfera de um dia para o outro, e até mesmo uma hora para a outra. Prever como o que será possível comunicações de rádio e os sinais de rádio podem propagar é de grande interesse para uma variedade de usuários de comunicações de rádio que vão de emissoras de rádio amadores e bidirecionais usuários sistemas de rádio comunicação para aqueles com sistemas de rádio comunicação móvel marítimo e muitos mais.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Algumas observações quanto a propagação em baixas freqüências

 RODELÃO6970



Graças ao meu amigo Turelli que me presenteou com o livro “Low Band Dxing – Your Guide to Ham Radio Dxcitement on 160, 80 and 40 meters”, por John Devoldere, editado pela ARRL, que entre outras coisas nos brinda com algoritmos para cálculo do nascer e pôr do Sol (respectivamente “SR” e “SS”) com uma precisão, que poderíamos estimar em mais ou menos 5 minutos, mais do que necessária para os nossos propósitos amadores, “estimo” para quais épocas do ano há propagação (possibilidade de) favorável para certas transmissões.
Efetuei os meus cálculos usando uma HP-41CV, emprestada, usando o algoritmo proposto por Brollini (o ARM usa o algoritmo de Van Heddeghem). Existem diferentes caminhos pelo qual o sinal se propaga desde a antena transmissora até a (nossa) antena receptora. A experiência me indicou que para sinais em momentos que ou onde o Sol nasceu “há poucos minutos” ou o Sol está para se pôr “daqui a alguns minutos” pode haver propagação favorável. Isto já havia sido verificado por outros legendários e melhores colegas, ver “Tropical Band Reception” de Anker Petersen e Carol Feil, WRTH 81, pgs 577-582.

Neste artigo os autores desenvolvem o conceito de “open hours”, que eu prefiro traduzir como abertura de propagação, isto é, horas ou momentos quando existem maiores possibilidades de propagação, baseado em pontos de reflexão situados no meio do caminho mais curto entre o ponto de transmissão e recepção e, situados a 2.000 km de cada um destes pontos (de transmissão e recepção). Eu prefiro não estimar aberturas de propagação desta maneira. Isto pode complicar os cálculos para pontos de transmissão distantes mais de 10.000 km, de nosso ponto de recepção, pois alguns autores especializados ou estudiosos no assunto estimam, que nestes casos os sinais não necessariamente “navegariam” pelo caminho mais curto, principalmente para regiões próximas no que eles chamam de pontos antipodais, o ponto “mais distante” em relação ao nosso ponto de recepção.
É por isso, que eu prefiro estimar estas aberturas de propagação, como as diferenças entre o nascer do Sol num ponto e pôr do Sol em outro ponto. Faço os cálculos do nascer do Sol e pôr do Sol e as diferenças acima mencionadas para o dia 15 de cada mês do ano. Com isso, quando efetuo uma captação “nova” para mim, costumava verificar nos cálculos destas diferenças para este ponto de transmissão e meu de recepção, se havia abertura de propagação nesta época do ano e se estaria entre a época do ano de maior abertura de propagação, para principalmente tentar entender porque só consegui ouvir nesta época do ano. Um destes casos é a recepção da estação russa de Vladivostok em 4.040 kHz. Só possível na época de verão, e, justamente quando nosso ruído atmosférico está geralmente bem mais forte (nosso verão).
Um ajuste neste cálculo pode ser necessário no calculo destas diferentes e, por isso, acho sempre interessante fazer uma checagem “amostral” dos resultados. Refiro-me, por exemplo, a certas cidades soviéticas (?) da Ásia Central, por exemplo, Frunze em 15 de Janeiro, o seu SR seria 02:31 e o SS do Rio de Janeiro em 15 de Janeiro é 21:45 (UTC). Se fizéssemos a diferença SR – SS neste caso seria -19:14, o que está errado. A nossa abertura de propagação ao anoitecer para Frunze é {(02:31 + 24:00) – 21:45} = 26:31 -21:45 = 04:46. Esta é a abertura de propagação correta. Se SR transmissor ?????? SS transmissor então para os cálculos SR(T) – SS(R) faça-se da seguinte forma: SR transmissor mais 24:00 – SS receptor.

Longe estou de querer estabelecer “dogmas” sobre propagação nas freqüências baixas, mas de tudo que até hoje li, me pareceu na prática ser a melhor maneira de avaliar uma “nova” captação. Ficaria muito satisfeito se outros ponderassem outros fatores e princípios para estas avaliações que faço, pois com isso aprimorarei ainda mais estas minhas avaliações.
Por: Felipe Luiz Gonçalves Flosi
Artigo publicado no boletim “Atividade DX” nº 74 – setembro de 1990.
PROJETO MEMÓRIA DO DXCB
Colaboradores:
  • Antonio Geraldo Paim da Silva
  • Carlos Felipe da Silva
  • Dante Vanderlei Efrom
  • Itamar Nunes de Assis
  • Ivan Dias
  • José Carlos Cruz
  • Luciana Miura Sugawara Berka
  • Márcio Roberto Bertoldi
  • Mário Cesar Pinto Brignol
  • Samuel Cássio Martins
  • Valter Aguiar
Gostou? Compartilhe com seus amigos!

RODELÃO6970


A História do Microfone

O microfone é um transdutor, dispositivo que converte som num sinal elétrico. Microfones são usados em muitas aplicações como telefones, gravadores, aparelhos auditivos e na transmissão de rádio e televisão.A invenção de um microfone prático foi crucial para o desenvolvimento inicial do sistema telefônico. Emile Berliner inventou o microfone em 4 de março de 1877, porém o primeiro microfone usável foi inventado por Alexander Graham Bell. Muitos desenvolvimentos iniciais no desenho do microfone foram alcançados no Bell Laboratories.Num microfone, as ondas sonoras são convertidas em vibrações mecânicas de um diafragma fino e flexível. Essas vibrações mecânicas são em seguida convertidas em sinais elétricos. Existem vários métodos para converter vibrações mecânicas em sinais elétricos.Músicos e cantores têm uma dívida com Emile Berliner, judeu alemão inventor do microfone, gramofone e disco plano. Vejamos a história de um homem que democratizou a música, tornando-a acessível a todos. A revolucionária invenção do gramofone, no fim do século XIX, libertou a música dos espaços fechados e das salas de concerto, levando-a à imortalidade. Passava, assim, a produto acessível e de consumo popular.
O responsável por essa criação, Emile Berliner, um dos treze filhos de Samuel e Sarah Berliner, nasceu em Hanover, em 1851. O pai era comerciante e professor de Talmud. A mãe, música amadora. Berliner estudou alguns anos em uma escola em Hanover sendo, em seguida, enviado para a "Samsonschuele", próxima à cidade de Wolfenbuttel, na qual estudou até 1865. Este foi o fim de sua educação formal, pois, em função das necessidades financeiras da família, logo começou a trabalhar para ajudar no seu sustento. Foi tipógrafo e ajudante de tecelagem, sendo neste último emprego que manifestou, pela primeira vez, grande talento para as invenções, ao criar um novo tear.
No entanto, a rotina de seu cotidiano era sufocante para alguém com tamanha criatividade, que sonhava com novos horizontes. Estimulado por uma oferta de trabalho nos Estados Unidos, então considerado o país onde "tudo acontecia", berço da ciência de vanguarda, das novas tecnologias e invenções, Berliner convenceu seus pais a deixarem-no partir. Assim, em 1870, o jovem desembarcava em Nova York, instalando-se, logo depois, em Washington.


MELHORE SEU MICROFONE

  

  

   
Microfones ou, popularmente, “mike”. Eta sujeitinho incompreendido e maltratado.
 
A grande maioria dos microfones de mão - aqueles pequenos que acompanham os rádios quando saem da fábrica, salvo raras exceções, são mais para inglês ver.
 
Áudio duro, sem maiores qualidades dignas de nota. É muito comum os microfones apresentarem uma performance abaixo da crítica sem razão aparente.
 
Segundo ON4UN John Devoldere, na página 3-17 do seu livro “Low Band Dxing” – recomendo a leitura - um microfone nunca deve ser adquirido por parecer bonito e/ou atraente. A grande maioria dos microfones que casam esteticamente com os transceptores possuem um áudio muito pobre. Mesmo que você possua um bom microfone pode ser necessário algum tipo de “ajuste”   para casar o microfone para a sua voz e com o transmissor que você utiliza.
 
Partindo daquele artigo e querendo melhorar o desempenho da minha estação em SSB, decidi seguir os conselhos do ON4UN.
 
E não é que deu certo!!! Os resultados foram muito bons para pouco tempo de trabalho.
 
É sugerida a utilização de filtro RC (resistivo-capacitivo) passa-alta em T (t é o formato do filtro), colocado em série com o terminal vivo do microfone:
 
in         o---C---o---o           out
 |
  R
 |
  - - - -
         - - - terra
  -
 
O capacitor C é determinado por tentativa: põe-experimenta-troca-até achar o melhor.
 
O valor do resistor R é aproximadamente igual à impedância de saída do microfone, normalmente 50 ohms ou 50k ohms.
 
Um bom valor inicial para um microfone que tenha a impedância de 50 kohms seria R=50 k ohms e C = 1000 pf
 
O meu MC-50 não gostou do resistor, mas ficou perfeito com +/- 950 pf. Fui colocando vários capacitores em paralelo, testando com dois amigos em 80m, um em Bom Jesus de Goiás (60km, PP2BZ) e o outro em Goianésia (uns 500km acho, PP2JCW). Foram diversos valores até chegarmos aos 950 pf. Ficou perfeito.
  
Tendendo um pouquinho para o agudo, o que em DX (longa distância) favorece uma melhor inteligibilidade.
Com um pouco de paciência podemos formatar o áudio do mike como quisermos: + grave ou + mais agudo, dependendo apenas da capacitância em série com o mike.
 
Bons DX.
 
Texto: PP2BT – Júlio Maronhas – 27/02/02
Adaptação: PY2HS - Claudinho – 08/03/02
Editado:PU7BGP- Gilvan Pereira da Silva Branco- 22/12/2015
  
  
 
Colaboração: IVAN DORNELES RODRIGUES - PY3IDR 
email: ivanr@cpovo.net 

SpaceX lança satélites e faz foguete pousar de volta em plataforma

Operação inédita vai poupar milhões de dólares para empresa americana

 

 

A SpaceX lançou com sucesso o foguete Falcon 9 - Mike Brown / Reuters




CABO CANAVERAL, Flórida - Num feito histórico na era espacial, a empresa americana SpaceX - do cientista multibilionário Elon Musk - conseguiu realizar o pouso de seu foguete Falcon 9. É a primeira vez que um foguete vai ao espaço e retorna em pouso vertical, um feito inédito na história espacial motivado pelo objetivo de reduzir custos e de transformar os foguetes em naves com possibilidade de reutilização.
A SpaceX lançou o Falcon 9 para transportar 11 satélites à órbita baixa da Terra, e depois conseguiu fazer retornar ao planeta a primeira fase do lançador.
O foguete decolou às 20H29 (23H29 de Brasília) de Cabo Canaveral, Flórida. Alguns minutos depois do lançamento, a primeira fase do foguete - que dá a potência na decolagem - se desprendeu e iniciou o retorno à Terra, enquanto a segunda fase manteve a propulsão dos satélites para o espaço.
A SpaceX não só conseguiu colocar 11 satélites comerciais simultaneamente em órbita terrestre baixa como realizou com sucesso o pouso do primeiro estágio do foguete numa plataforma em Cabo Canaveral.


Graças a motores que amenizaram a queda, o primeiro estágio desceu suavemente e pousou de forma vertical 11 minutos após o lançamento, revelaram imagens da operação divulgadas ao vivo pela empresa do magnata Elon Musk. O segundo estágio colocou em órbita, com sucesso, os satélites da companhia de comunicações ORBCOMM, com sede em Nova Jersey.
Recuperar o primeiro estágio do foguete Falcon 9 permitirá à SpaceX poupar muito dinheiro, já que atualmente os componentes destes aparelhos custam milhões de dólares e são destruídos após cada lançamento.
O feito marca a volta triunfante da SpaceX ao negócio de foguetes, em sua primeira missão desde um acidente devastador em meados do ano. No dia 28 de junho, um Falcon 9 explodiu dois minutos após ser lançado, destruindo uma nave de carga não tripulada Dragon com provisões para os astronautas que vivem na Estação Espacial Internacional (ISS).


 



segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

RODELÃO6970




PARTE 1

Propagação do sinal de rádio HF Ionosférico

- As noções básicas de propagação de rádio HF ionosférico e como a ionosfera permite links de comunicação de rádio a ser estabelecida ao longo de grandes distâncias ao redor do mundo usando o que são chamados de ondas céu ou skywaves.


Tutorial propagação ionosférica 
Como as ondas eletromagnéticas, e, neste caso, os sinais de rádio viajam, eles interagem com os objetos e os meios de comunicação em que viajam. Como eles fazem isso, os sinais de rádio pode ser refletida, refratada ou difratado. Estas interacções fazem com que os sinais de rádio para mudar de direção, e para chegar a áreas que não seriam possíveis se os sinais de rádio viajou em uma linha direta.
Comunicações de rádio HF é dependente para a maior parte das suas aplicações no uso da ionosfera.Esta região na atmosfera permite que os sinais de comunicação de rádio para ser refletida, ou mais corretamente refratada de volta à terra de modo que eles podem viajar a grandes distâncias ao redor do globo. Propagação ionosférica é normalmente embora, como um modo de propagação HF, embora, ele pode estender-se usar acima e abaixo da porção de HF do espectro em muitas ocasiões.
O fato de que os sinais de rádio comunicação pode viajar por todo o mundo nas bandas de HF é amplamente utilizado por muitos pelas emissoras, agências de notícias, marítimo, radioamadores e muitos outros usuários. Transmissores de rádio que utilizam relativamente baixos poderes podem ser usados ​​para se comunicar com o outro lado do globo. Embora a propagação de rádio usando a ionosfera pode não ser não tão confiável como o previsto por satélites, que, no entanto, fornece uma muito boa relação custo forma eficaz e eficiente de comunicação de rádio. Para habilitar a mais a ser feito de propagação ionospheric muitos usuários de rádio fazem uso extensivo de programas de propagação HF para prever as áreas do globo a que os sinais podem viajar, ou a probabilidade deles atingindo uma determinada área.
Estes programas de previsão de propagação HF utilizam uma grande quantidade de dados, e muitos têm sido desenvolvidos ao longo de muitos anos, juntamente com dados sobre as condições prevalecentes. No entanto, ainda é útil para obter uma visão de como os sinais viajam pelo uso da propagação da ionosfera e para entender por que as condições do sinal mudar. Deste modo, a melhor utilização pode ser feita de propagação ionosférica.
Sinais de radiocomunicações nas faixas de onda média e curta viajar por dois meios básicos. O primeiro é conhecido como uma onda terrestre (coberta em uma página separada nesta seção), ea segunda uma onda céu usando a ionosfera.

Skywaves

Ao usar a propagação de rádio da ionosfera, os sinais de rádio deixar a superfície da Terra e viajar para a ionosfera, onde alguns deles são devolvidos à Terra. Estes sinais de rádio são denominadas ondas céu por razões óbvias. Se eles são devolvidos à terra, em seguida, a ionosfera pode (muito simplesmente) ser visto como uma vasta superfície reflectora que engloba a Terra, que permite que os sinais de viajar em distâncias muito maiores do que de outro modo seria possível. Naturalmente, este é um grande simplificação excessiva, porque a frequência, hora do dia e muitos outros parâmetros governar a reflexão, ou mais corretamente a refração de sinais de volta à Terra. Existem, de facto, uma série de camadas, ou mais correctamente regiões dentro da ionosfera, e estes agir de maneiras diferentes, tal como descrito abaixo.

Região D

Quando uma onda céu deixa a superfície da Terra e desloca para cima, a primeira região de interesse que atinge na ionosfera é chamada a região D. Esta região atenua os sinais à medida que passam através da. O nível de atenuação depende da frequência. Baixas freqüências são atenuadas mais do que os maiores. Na verdade verificou-se que a atenuação varia como o inverso do quadrado da frequência, isto é, dobrando a frequência reduz o nível de atenuação por um factor de quatro. Isto significa que os sinais de baixa frequência são muitas vezes impedida de alcançar as regiões mais elevadas, excepto durante a noite, quando a região desaparece.
A região D atenua sinais porque os sinais de rádio fazer com que os elétrons livres da região a vibrar.Como se vibrar os electrões colidem com as moléculas, e em cada colisão existe uma pequena perda de energia. Com inúmeros milhões de electrões de vibração, a quantidade de perda de energia torna-se visível e manifesta-se como uma redução do nível geral do sinal. A quantidade de perda de sinal é dependente de uma série de factores: Um deles é o número de moléculas de gás que estão presentes. Quanto maior for o número de moléculas de gás, quanto maior o número de colisões e, portanto, quanto maior a atenuação. O nível de ionização também é muito importante. Quanto maior o grau de ionização, quanto maior for o número de electrões que vibram e colidem com as moléculas.O terceiro fator principal é a frequência do sinal. Conforme aumenta a freqüência, o comprimento de onda dos encurta vibração, e o número de colisões entre os elétrons livres e moléculas de gás diminui. Como um sinal de resultados mais baixos no espectro de frequências de rádio são atenuados muito mais do que aqueles que são mais elevados na freqüência. Mesmo assim sinais de alta frequência ainda sofrer alguma redução na intensidade do sinal.

E e F Regiões

Uma vez que um sinal passa através da região D, ele viaja em e atinge primeiro a E, e próxima das regiões F. Na altitude em que estas regiões se encontram a densidade do ar é muito menor, e isso significa que quando os elétrons livres são excitados por sinais de rádio e de vibração, muito menos colisões ocorrem. Como resultado, o modo pelo qual essas regiões agir é um pouco diferente. Os elétrons são novamente postos em movimento pelo sinal de rádio, mas eles tendem a re-irradiar-lo.Como o sinal é viajar numa área onde a densidade de electrões está a aumentar, o mais longe que progride para a região, o sinal é refractado para fora da área de maior densidade de electrões. No caso de sinais de HF, esta refração é muitas vezes suficiente para dobrá-los de volta à Terra. Com efeito, verifica-se que a região "reflectida" do sinal.
A tendência para esta "reflexão" é dependente da frequência e do ângulo de incidência. Conforme a frequência aumenta, verifica-se que a quantidade de refracção diminui até uma frequência é atingido quando os sinais passam através da região e para a próxima. Finalmente, um ponto é alcançado onde o sinal passa através de todas as regiões e em para o espaço sideral.
Refracção de um sinal de rádio, uma vez que entra na ionosfera
Refracção de um sinal de rádio, uma vez que entra numa região ionizado

Freqüências diferentes

Para ter uma idéia melhor das características de propagação HF usando a ionosfera, é vale a pena ver o que acontece a um sinal de comunicações de rádio, se a frequência é aumentada em todo o espectro de frequências. Em primeiro lugar, inicia-se com um sinal na banda de radiodifusão de onda média. Durante os sinais de dia sobre estas freqüências única propagar usando a onda terrestre.Quaisquer sinais que atingem a região D são absorvidos. No entanto, à noite como a região D desaparece sinais de chegar a outras regiões e pode ser ouvido em distâncias muito maiores.
Se a frequência do sinal é aumentada, é atingido um ponto em que o sinal começa a penetrar a região D e sinais de atingir a região de E. Aqui é refletido para trás e vai passar através da região D e retornar à terra a uma distância considerável a partir do transmissor.
À medida que a frequência aumenta ainda mais o sinal é refratada cada vez menos pela região E e, eventualmente, ele passa através dele. Em seguida, ele atinge a região de F1 e aqui pode ser refletida de volta passando pelas regiões D e E para alcançar a terra novamente. Como a região F1 é maior do que a região E da distância alcançada será maior do que aquele para um E região reflexão.
Finalmente, como a frequência do sinal de comunicações de rádio ainda sobe ainda mais o que acabará por passar através da região de F1 e F2 para a região. Esta é a maior das regiões na ionosfera e as distâncias alcançadas usando este é o maior. Como um guia áspero a distância máxima de salto para a região de E é de cerca de 2500 km e 5000 km para a região F2.
Sinais refletidos pela F regiões E e

Vários saltos

Embora seja possível chegar a distâncias consideráveis ​​usando região F como já descrito, por conta própria isto não explica o fato de que os sinais de rádio são regularmente ouvidas a partir de lados opostos do globo usando propagação HF com a ionosfera. Isto ocorre porque os sinais são capazes de sofrer várias reflexões "". Uma vez que os sinais são devolvidos para a terra da ionosfera, eles são refletidos de volta para cima pela superfície da terra, e, novamente, eles são capazes de passar por outra "reflexão" pela ionosfera. Naturalmente, o sinal é reduzido na resistência em cada "reflexo", e encontra-se também que diferentes áreas da Terra reflectir os sinais de rádio diferente. Como era de se antecipou a superfície do mar é um bom reflector, enquanto áreas desérticas são muito pobres.Isto significa que os sinais que são "refletida" de volta para a ionosfera pelos oceanos Atlântico e Pacífico ou será mais forte do que aqueles que usam o deserto do Saara ou o centro vermelho de Austrália.
Várias refrações da ionosfera
Múltiplas reflexões
Não é apenas a superfície da Terra, que introduz perdas no meio do caminho do sinal. De facto, a maior causa de perda é a região D, mesmo para altas frequências de cima para dentro da porção do espectro de HF. Uma das razões para isso é que o sinal tem de passar pela região D duas vezes para cada reflexão pela ionosfera. Isto significa que para obter as melhores forças de sinal, é percursos de sinal necessárias permitir que o número mínimo de saltos para ser usado. Isso geralmente é conseguido usando freqüências próximas às freqüências máximas que podem suportar comunicações usando propagação da ionosfera, e utilizando assim as regiões mais altas na ionosfera.Além disso o nível de atenuação introduzido por a região D também é reduzida. Isso significa que um sinal de rádio de 20 MHz, por exemplo, será mais forte do que um, em 10 MHz se a propagação pode ser suportado em ambas as frequências.
Propagação HF usando a ionosfera ainda é amplamente utilizado como uma forma de comunicação rádio. Embora não seja tão confiável quanto as comunicações por satélite, não é tão caro, e pode fornecer uma útil back-up no caso das comunicações por satélite falhar. É também amplamente utilizado como a principal forma de comunicação por rádio por muitas organizações de emissoras de rádio para rádio-amadores, bem como o navio da costa e muitas outras formas de comunicação ponto a ponto. Como uma propagação HF resultado usando a ionosfera é provável que permanecem em uso por tempo indeterminado como forma de tecnologia de comunicações de rádio.

RODELÃO6970




W9RPM
John Kjos
La Crosse, WI, USA










~
~~


80 medidor rotativo dipolo










Se você olhar atentamente para a foto acima, você verá um dipolo de arame pendurada a partir da torre. É um Spi-Ro espaço limitado de 80 metros de dipolo de arame LS-80K.Porque eu vivo em um pequeno parque de cidade e as árvores não estão em locais perfeitos eu me perguntei como eu poderia obter esta antena mais alto? Isto é o que eu vim acima com.













Esta é uma peça de 10 pés de 2 "de fibra de vidro de tubagens com um 1/4" espessura da parede. Está tudo montado em uma placa de mastro 12 "x 15" x 1/4 alumínio. Também montado na placa de mastro é o Spi-Ro PB-1C balun.













Este é um "x 6" x 6 1/4 "placa de fardo de alumínio. Eu costumava 5/16" double trança de Dacron corda / poliéster para os suportes de treliça.













Montados em cada extremidade do tubo de fibra de vidro 10 é um pé de 32 pés pólo manga de vento de fibra de vidro. O fio de cada perna do dipolo está dentro dos pólos windsock.









Esta é a LC-80 antena encurtador Spi-Ro. Isso reduz o comprimento total da antena de 40%. Eu tive que enrolar o pólo de fibra de vidro com isolamento de tubos e depois fita sobre isso porque quando eu fui para apertar as braçadeiras que parecia que eu estava esmagando o pólo. O isolamento deu-lhe uma pequena almofada. Esta é também onde eu decidi anexar a corda treliça. Talvez eu tenha que vir acima com um projeto melhor para isso no futuro.

 










Este é me prender este flacidez macarrão molhado ao tubo do mastro. De ponta a ponta é de cerca de 70 pés de comprimento.












Um agradecimento especial a rica KB9RNO que me ajudaram a testar e instalar a antena. Outro grande graças ao Jeremy Southworth que ficaram até meia-noite para me ajudar a montá-lo.


















ARRL Field Day 2007

















































































































TEMPO