Rádio

BEM VINDOS AO RODELÃO6970

domingo, 7 de julho de 2019

RADIO DIGITAL

Novos Padrões de Transmissão Digital Introduzidos na Rússia

MOSCOU  Novos padrões de transmissão digital são introduzidos na Federação Russa, as faixas de freqüência de rádio 65,9-74 MHz e 87,5-108 MHz serão alocadas para uso por meios eletrônicos de transmissão de som digital no ar do padrão DRM +, o que terá um impacto significativo no desenvolvimento do mercado de radiodifusão no país. serviço da Agência Federal de Imprensa e Comunicação de Massa.
"Em uma reunião regular da comissão estadual sobre radiofreqüências foi realizada no Ministério de Desenvolvimento Digital, Comunicações e Comunicações de Massa da Federação Russa, onde foi tomada a decisão de alocar 65,9-74 MHz, 87,5-108 MHz para criar redes de radiodifusão digital padrão DRM + ", - disse em um comunicado recebido na RIA Novosti.
Note-se que a introdução do padrão DRM + aumenta significativamente a eficiência do uso do recurso de freqüência de rádio. Até quatro programas estéreo, incluindo informações adicionais, podem ser transmitidos na banda de frequência do canal de rádio DRM + do sistema de 100 kHz. Em comparação com a transmissão em FM, a qualidade da percepção dos programas de som é melhorada devido à possibilidade de transição para a estereofonia multicanal.
O padrão permite que você insira serviços de dados adicionais, incluindo texto, imagens estatísticas, canal de mensagens de tráfego (TMC - Traffic Message Channel) e também fornece a capacidade de usar um sistema de aviso de emergência (EWF - Emergency Warning Functionality). Ao usar o DRM +, o número de canais de rádio é quase o dobro, e os custos operacionais e os períodos de retorno de novos equipamentos são reduzidos pela redução da energia necessária do transmissor e da disponibilidade de seu trabalho em uma rede de frequência única, o que leva a economias adicionais de energia. A introdução do novo padrão não requer mudanças no planejamento de frequências adotadas na Federação Russa e permite que você se integre ao sistema global de informações sem custo adicional.
"Esta não é uma decisão simples, mas fundamental, que terá um impacto significativo sobre o desenvolvimento do mercado de radiodifusão em nosso país. A Europa tem introduzido ativamente o padrão de transmissão digital. Noruega, Suíça, Áustria, Alemanha, Itália, Dinamarca, Bélgica e Letônia há vários anos Começamos a descontinuar a transmissão analógica em favor do digital ”, disse Mikhail Seslavinsky, chefe da Agência Federal de Imprensa e Comunicação de Massa, após a reunião, informou o serviço de imprensa da Rospechat.
Note-se que, antes de recomendar um padrão para uso na Rússia, a RTRS Empresa Unitária do Estado Federal, juntamente com a Universidade Estadual de Telecomunicações de São Petersburgo. prof. M.A. Bonch-Bruevich realizou trabalho de pesquisa, durante o qual foram confirmadas as características do sistema DRM + declarado na norma, foram realizados testes de campo nos modos de recepção móvel fixa do sinal DRM + nas faixas de freqüência de rádio 65,9-74 MHz, 87,5-108 MHz, foram estimadas as áreas de serviço na potência do transmissor selecionada, foram realizados estudos de laboratório das proporções de proteção de RF necessárias na entrada do receptor.

quinta-feira, 27 de junho de 2019

ANTENAS

Antena Loop em forma de Triangulo

Boas
Vou aqui divagar um pouco da minha experiência com esta antena...
Usei o espaço que tinha por isso não obedecesse a medidas:

Usei fio de cobre 2.5mm;
Ficou com um perimetro de 77mt;
Fiz um balun de RF com uma ferrite de TV;
Cabo coaxial RG58 usei 28mts é bastante comprido, ainda não cortei pois ando a fazer testes com baluns;Já estou a usar esta antena a mais de 13 anos, aqui vai um resumo das minhas conclusões.
Estou a usar o radio TS-570 com o tuner faço as bandas todas, tem uma escuta bastante silenciosa em relação ao dipolo dos 80mt e da vertical.
Escuto varias vezes a rodada dos 14.175 onde os colegas por vezes tem dificuldades de escolher a direção da antena direcional e acabam por escutar ou europa ou america.
Eu escuto bem os dois lados por vezes melhor, (olhando ao reportes) fico com a duvida se vale a pena ter uma direcional (só se for pelo espaço) em relação a esta 77mt.
Pela simulação no programa MMana-Gal esta antena funciona como uma antena NVIS ou seja tem uma radiação toda na vertical.
Em fonia já fiz bastante contatos mas eu gosto bastante de PSK onde já fiz bastante paises incluindo Australia com apenas 60w.
Deixo umas fotos onde podem ver o fio com mais de 13 anos ainda dura o inico da antena esta 60cm do telhado ao fundo nos poste esta 3.5m do telhado ou seja de perfeito não tem nada...
Mas funciona melhor que o dipolo da banda dos 80 e que a vertical que estão com medidas e alturas melhores que esta.
Por isso mesmo que não tenham espaço ou medidas não deixem de testar pois podem ter supresas!

Foto da antena




Foto do balun RF




Foto da antena vista do google





Nós não podemos mudar a história, mas podemos mudar o futuro. Partilha as tuas ideias...




FONTES


Convertendo Fonte de PC em fonte de 13.8V 20A
Aqui fica algumas dicas das minhas experiencias com fontes de PC...


Primeiro testei a fonte ligando o fio verde a massa, para ver se funcionava, como estava a funcionar...parti para a etapa seguinte:
Na saída dos 3V tirei o condensador a resistência de carga, o choque de ferrite e os fios todos.
Na saída dos 5V tirei o condensador a resistência de carga, o choque de ferrite e os fios vermelhos todos.
Na saída dos 12V tirei a resistência de carga, e substitui os condensadores existentes por uns com mais capacidade de filtragem 2200 e mais voltagem 25v, pois os que vinham nas fontes eram de 1000 e 16v já estavam inchados ou seja a voltagem era pouco secam e claro deixam de funcionar em condições...
Procurei o fio que tem 5v tinha a cor de violeta serve para alimentação USB o pc mesmo desligado tem 5v peguei nesse fio soldei na saída dos 5v assim o integrado vai receber sempre constante 5v.
Soldei 3 díodos normais 1n4007 em serie na saída de 5v para a saída dos 3v, assim o integrado vai receber 3.3v.
Soldei o fio verde a massa para a fonte ligar interruptor.
Em vez de usar trimer usei outra tecnica que para mim funciona melhor do que o trimer pois não preciso de perder tempo a procura do pino do integrado.
Na pista dos 12v logo a saida cortei e meti 2 diodos assim tive 14.3v na saida.
Testei tambem e tirei os diodos dos 3v e dos 5v ficou só os diodos dos 12v assim a placa fica mais limpa...
Usei o regulador 7805 com trimer e NTC 4k para o ventilador ficar mais silencioso regulei o trimer para o ventilador ficar com 7v a frio e vai subindo conforme a temperatura.
No painel frontal meti um led branco com zener em serie para servir de monitor, se a voltagem baixar ele diminui o brilho e apaga-se a partir de 12v.
Nos bornes soldei um filtro com ferrite que tirei dos 3v, um zener em paralelo de 15v serve de fusível ...soldei também mais um condensador de 2200 25v e um condensador de 1nf , 10nf, 100nf...Resultado tenho usado com rádio HF TS-570D em PSK com power no máximo 22amp durante 1h00 meti um sensor de temperatura colado ao lado dos díodos 30amp onde sai a potencia e os resultados efectuados em Setembro de 2012 com temperaturas ambiente de 20º a 25º a fonte não passava de 35º a debitar 22amp ate os bornes dos cabos do rádio derreteram por isso está excelente...

Foto da placa original com os díodos originais


Fotos da comparação dos díodos


Foto do diodo zener para proteger a fonte caso a voltagem suba ate 15v


Foto dos condensadores na entrada alterei por uns de maior capacidade pois aguentam melhor os picos


Esquema do regulador de velocidade do ventilador em vez da resistência usei um trimer 1k


Fet com diodo zener led branco apaga se descer de 12v


3 diodos 1n4148 em serie para reduzir o barulho mas colado no dissipador se aquecer aumenta a rotação



Nós não podemos mudar a história, mas podemos mudar o futuro. Partilha as tuas ideias...

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Escalabilidade IOT com tecnologia celular

Resultado de imagem para A Internet das Coisas
13 de novembro de 2018
A Internet das Coisas (IoT) passou, quase da noite para o dia, de uma palavra para uma grande tendência tecnológica. Os dispositivos de IoT hoje aparecem em todos os lugares, desde eletrônicos de consumo, como dispositivos portáteis e sensores domésticos inteligentes até automação industrial, dispositivos de saúde, equipamentos de depósito / logística e muito mais. Mas com o desenvolvimento e o amadurecimento da IoT, somos atingidos por graves problemas de crescimento. Muitas das tecnologias e protocolos que fazem sentido para um mundo de computação centralizado de desktop, laptop e computação móvel não são mais válidos para dispositivos descentralizados de baixo consumo de energia que a IoT cria.
Resultado de imagem para Wi-Fi e Bluetooth

Wi-Fi e Bluetooth - os padrões de rede domésticos de fato também não são traduzidos para IoT. Wi-Fi tem uma gama decente de ação, mas também um alto consumo de energia. O Bluetooth tem um baixo consumo de energia, mas uma curta duração de ação. Ambas as soluções não podem ser dimensionadas adequadamente porque exigem roteadores. 
Na verdade, já existe uma solução viável para os problemas das redes IoT e nós a usamos todos os dias: redes de comunicação móvel.
Definição de IoT
O termo IoT abrange uma ampla variedade de "coisas", desde termostatos inteligentes e eletrodomésticos até usuários domésticos, até sensores de pressão, medidores de consumo de água e sistemas de irrigação inteligentes no lado industrial. Mas, embora os aplicativos e os mercados aos quais os endereços de IoT possam ser muito variados, os dispositivos de IoT compartilham vários recursos importantes.
Muitos dispositivos IoT são alimentados por baterias. Para aplicativos móveis, como dispositivos portáteis ou sistemas de rastreamento, a energia da bateria é a única solução. No entanto, mesmo dispositivos de IoT que não se movem, como medidores de quantidade de água, sensores de pressão de tubulação ou termostatos em processos de automação, podem optar por ser alimentados por bateria, por conveniência, escolhido quando nas proximidades não há fonte de alimentação da rede.
Os dispositivos de IO são frequentemente organizados em locais inesperados e frequentemente difíceis. Embora muitos eletrônicos residenciais e comerciais estejam em nossas casas e escritórios, eles podem contar com fácil acesso à eletricidade, Wi-Fi e à recepção de celular, e para facilitar a manutenção, eles são facilmente acessíveis, o mesmo não acontece com a IoT. Uma taxa de estacionamento inteligente pode ser localizada em uma garagem subterrânea com pouca recepção de celular e sem fornecimento de energia nas proximidades. Um sensor de pressão pode ser montado em um duto no deserto. Um dispositivo para rastrear mercadorias pode estar na parte inferior de um contêiner de remessa e fica inacessível por alguns meses por vez.
Finalmente, os dispositivos de IoT são implementados em um número maior do que quase qualquer outra classe de dispositivos eletrônicos na história. Além disso, os aplicativos de IoT geralmente são mais eficazes quando implantados em grandes volumes. Seja equipamento de estacionamento inteligente, beacons, sensores de irrigação ou dispositivos de rastreamento de mercadorias, as implementações de IoT geralmente estão em dezenas, centenas ou até milhares de dispositivos diretos.
Esses recursos - bateria, instalação móvel ou remota e implantação em larga escala - apresentam um conjunto único e aparentemente contraditório de desafios para conectividade IoT. O protocolo de comunicação usado deve ser sem fio e ter uma boa faixa de penetração, mas também deve ter um consumo mínimo de energia para permitir uma longa duração da bateria e uma manutenção rara.
O Wi-Fi, o tradicional protocolo sem fio doméstico e corporativo sem fio, tem um alcance decente e penetração decente, mas é energético, tornando-o inutilizável para dispositivos alimentados por bateria. O Bluetooth é eficiente em termos de energia, mas possui uma variedade de ações em ambientes reais, afetando, assim, a eficiência de todas as implementações de IoT, incluindo aquelas em menor escala. Outra solução é necessária, e a tecnologia celular parece ser a melhor.
Caso de célula celular
Em alguns casos, os telefones celulares compartilham muitas funções com dispositivos IoT. Esses dispositivos móveis movidos a bateria estão conectados à internet, cheios de sensores e conectando nosso mundo físico através da nuvem. Assim, faz sentido que um protocolo ideal de IoT tenha certos atributos celulares. 
A vantagem mais notável da rede celular é que ela apresenta uma maneira incrivelmente simples de se preparar e possui um protocolo de comunicação fácil de usar para o usuário final. Como já mencionado, as redes Wi-Fi exigem que um roteador se conecte à Internet e os dispositivos do cliente precisam ser programados para se conectarem à rede Wi-Fi. Redes Bluetooth exigem etapas semelhantes.
As redes celulares, por outro lado, exigem que o usuário final simplesmente instale um cartão SIM no dispositivo, que então se configura automaticamente e se conecta automaticamente às redes disponíveis. Se o dispositivo for movido para um local diferente, desde que seja uma rede compatível, ele será automaticamente conectado. Não há provisões, parâmetros de roteador, senhas definidas e pouquíssimos problemas de login para solução de problemas por usuários finais. Isso simplesmente funciona.
Para aplicativos IoT, essa rede fácil de usar é uma mudança de jogo. Em vez de contratar especialistas em rede para planejar quantos roteadores são necessários para suportar vários dispositivos, configurá-los e fornecê-los aos dispositivos clientes, a natureza plug-and-play da rede celular permite que os clientes usuários finais para adicionar conectividade IoT sem a necessidade de um departamento de recontagem. 
A conectividade celular também é massivamente escalável. Não há necessidade de comprar e configurar roteadores adicionais quando mais de um dispositivo é adicionado à rede. Enquanto houver cobertura de rede, o escalonamento é apenas adicionar novos dispositivos.

Celular para IoT
Resultado de imagem para Celular para IoT
Apesar de todas as suas vantagens inerentes, a conectividade celular com a qual estamos familiarizados em nossos telefones inteligentes não é ideal para a maioria dos aplicativos IoT. Como todos sabem que compraram um banco de energia para o seu telefone celular, a conectividade LTE pode rapidamente limpar a bateria.
Para resolver esses problemas, o 3GPP, o corpo de padrões responsável pela manutenção e desenvolvimento do LTE, lançou o LTE Cat 1 e o LTE-M. Essas novas categorias LTE reduzem o consumo de energia reduzindo a largura de banda e a complexidade do protocolo. Além disso, eles melhoram a penetração de sinal e diminuem o custo do módulo, ao mesmo tempo em que mantêm muitos dos recursos fáceis de usar que tornam a conectividade celular uma boa opção para o mercado de IoT.
LTE Cat 1 - Este é um protocolo celular simplificado que reduz as velocidades de pico para 10 Mbps para links de download e 5 Mbps para links de upload. O consumo de energia é, portanto, mantido sob controle - com produtos como o XBee LTE Cat 1 da Digi, consumindo apenas 10μA no modo de sono profundo e apenas algumas centenas de mA no estado ativo (dependendo das condições exatas de operação). A reduzida complexidade do protocolo também significa transmissão de rádio de baixo custo. O LTE Cat 1 oferece largura de banda suficiente para suportar vídeo ou dados de voz, mas com menor consumo de energia e menores custos de hardware do que as classes superiores LTE. Aplicativos relevantes incluem sinalização digital, caixas eletrônicos, vigilância por vídeo e telemática de veículos.
LTE-M - Também conhecido como LTE Cat M1, trata-se de um protocolo de largura de banda ainda mais rígido, que reduz ainda mais o consumo de energia, a complexidade e o custo do protocolo. 
Operando na largura de banda de 1.4MHz, as velocidades de upload e download são de 1Mbps para full duplex ou 375kbps para metade. Essas velocidades reduzidas, complexidade de protocolo reduzida e modos adicionais de economia de energia ajudam o LTE-M a ter um consumo de energia menor que o LTE Cat 1 - por exemplo, o SARA-R4 da u-blox requer apenas 100mA para fornecer comunicação LTE. Isso permite uma autonomia de até 10 anos.
Além de melhorar a vida útil da bateria, o LTE-M também oferece melhor cobertura com ganho de até 21dB em relação aos dispositivos LTE mais antigos. Isso significa uma gama melhorada de ação, bem como melhor penetração interna para aplicações em prédios, no subsolo ou em outros locais onde a recepção celular tradicional se tornou fraca.
Aplicações relevantes para LTE-M incluem monitoramento de propriedades, dispositivos portáteis, sensores, medidores de serviços públicos. Com base no protocolo LTE existente, o LTE Cat 1 e o LTE-M têm a vantagem de operar em um espectro licenciado, bem como a facilidade de implantação para provedores de rede. As redes LTE Cat 1 e LTE-M já estão disponíveis na maioria das áreas na América do Norte e há um aumento no nível de implantação na Europa.
Protocolo de rede ideal para IoT
Com o desenvolvimento da IoT, ela deve ter a infraestrutura certa para que ela atinja todo o seu potencial. Embora protocolos sem fio comuns, como Wi-Fi e Bluetooth, já sejam familiares, eles não estão funcionando bem na escala esperada pelas implementações de IoT. As versões mais recentes do padrão LTE do grupo 3GPP introduziram novas categorias desse padrão de celular para abordar especificamente o uso de IoT. Ao ajustar a largura de banda para atender aos requisitos de IoT, essas categorias de LTE podem alcançar um consumo de energia muito baixo e uma penetração de sinal forte. A duração da bateria pode atingir uma ordem de magnitude do nível do ano e, além disso, dispositivos terão a vantagem de conectividade de alta conectividade e mobilidade intrínseca de comunicação celular. Mas o mais importante é que a conectividade IO baseada em LTE oferece incrível facilidade de comissionamento e escalabilidade. Não há necessidade de roteadores ou configurações de rede, o que significa que os dispositivos de IoT são consideravelmente mais simples de implementar.

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Circuit Design lança novo módulo transmissor de banda estreita UHF FM STD-302Z para 434MHz

5 DE JULHO DE 2018
A Circuit Design Inc., fornecedora líder de módulos de rádio de baixa potência, desenvolveu recentemente o módulo de transmissor STD-302Z de banda estreita UHF FM para aplicações de controle remoto e telemetria industriais.
Como seu antecessor - STD-302S, STD-302Zpode ser fabricado para diferentes faixas de frequência / níveis de potência, oferecendo as mesmas taxas superiores de rejeição e sensibilidade à interferência usando o filtro SAW. O design discreto garante disponibilidade a longo prazo e, além da operação de banda estreita FM, o circuito é estável a uma velocidade máxima de 9600 bps. Além disso, o desempenho dos receptores STD-302Z foi aprimorado para permitir a comunicação segura em aplicativos de segurança críticos - mesmo sob difíceis condições de RF, recursos que permitiram que ele obedeça à EN 300 220 e tenha recebido o status de Recebedor da Categoria. 1. O dispositivo usa a mesma configuração de pinos e pinos do STD-302S. A resistência a choques e vibrações também foi aprimorada, tornando-a útil em aplicações em ambientes agressivos.
Sendo o dispositivo um transceptor, a comunicação bidirecional é possível. 
O circuito PLL interno do STD-302Z permite que você programe sua própria tabela de canais inserindo os dados em série. 
Os pinos DI e DO para os dados do usuário fornecem uma interface transparente e a capacidade de usar seu próprio protocolo.
Exemplo de interface
Especificações : 
 434 MHz / 10 mW 
 Gama 3.0 ... operacional 5.5V tensão 
 canal de RF programável 
 VCO PLL controlado 
 receptor de alta sensibilidade 
 Excelente resistência a choques e vibrações / durabilidade mecânica 
 Receptor Categoria 1 
 Block - 20 dBm 
 Selectividade canal adjacente -50 dBm 
 Saturação adjacente canal -20 dBm 
 Rejeição falsa resposta: -44 dBm (1, 2 mix) 
 VERMELHA (EN 300 220) 
 filtro OAS para evitar a interferência de outros sistemas de rádio 
 Outras versões de frequência também estarão disponíveis (480 MHz (Taiwan), 458 MHz (Reino Unido), 447 MHz (Coréia), 419 MHz (China), 429 MHz (Japão), 869 MHz (UE)
Aplicações Aplicações
▶ industriais 
▶Sistemas de controle remoto / 
▶Sistemas de reação Sistemas de telemetria / monitoramento 
▶Transmissões de dados de FA
Design de circuitos
info@circuitdesign.de 
http://www.cdt21.com

Escolhendo a antena para aplicativos celulares



6 de novembro de 2017


Selecionar a melhor antena significa melhores dispositivos. Depois de selecionar o provedor do módulo e a rede da operadora, selecione a antena apropriada para o aplicativo.





Antena - 900 MHz, Yagi, 8,1 dBi, N-fêmea . Digi code : A09-Y8NF, usado com a família de produtos 9XTend, 9XStream e XBee-PRO XSC (900 MHz).


As empresas envolvidas em aplicativos de celular não têm, na maioria dos casos, os recursos para fazer otimização por conta própria e são obrigadas a escolher parceiros de antena que podem fazer isso por si mesmos. Pode ser encomendado para aplicações específicas, antenas de design personalizado, na Digi International: www.digi.com/pdf/wds-antenna-design-ant108.pdf Como deve ser escolhida uma antena para a aplicação celular? Quais fatores devem ser considerados e quais são os erros a serem evitados? Aqui estão alguns pontos a serem considerados:




Compatibilidade de rede

Projete o mapa de rede e escolha a tecnologia de rede / comunicação para trabalhar. A maioria das aplicações incluem um ou uma combinação de:celular (GSM / TDMA / CDMA), 4G LTE (GSM / EDGE, UMTS / HSPA), 802.11 Wi-Fi , 802.15.4 (ZigBee, Linha, WirelessHART, 6LoWPAN, LPWA) Bluetooth e BLE (Bluetooth Low Energy), tecnologias GNSS para serviços de localização e temporização; ou redes de satélite , como Iridium ou Orbcomm https://www.orbcomm.com. Todas as redes sem fio usam uma faixa de freqüência dedicada, que a antena precisa cobrir. Verifique as especificações da antena para se certificar de que a antena cobre as frequências do modem. Consulte os especialistas: rede de operadora, provedor de módulo, provedor de antena, laboratórios de teste.





Uma representação abstrata da relação entre o ganho e o padrão de radiação 3D. O modelo de radiação para uma antena vertical é essencialmente uma forma de donut de energia ao redor da antena. Seções transversais para 3 dB, 6 dB e 9 dB mostram que quanto maior o ganho, o padrão de radiação se achata em um disco (antena de ganho de 9 dB).


O ganho da antena

refere-se à capacidade da antena de se concentrar no sinal irradiado para aumentar a cobertura da rede.





A relação entre ganho e o padrão de radiação 3D para uma antena Yagi.


Isso é particularmente relevante para redes celulares e tecnologias de curto alcance, como WiFi ou Zigbee, onde a faixa de emissão é limitada. (Ao contrário das redes de cobertura global). Quanto maior o ganho da antena, maior a distância da fonte de emissão. Note, no entanto, que esse ganho não é o único fator que influencia o desempenho da antena. O padrão de recepção 3D (determinado pela forma da antena) é outro fator importante - portanto, teste alguns tipos de antena no solo. O desempenho da antena também é extremamente dependente das condições ambientais, por isso deve ser testado sob várias condições!


forma do corpo / montagem opção

características físicas antena, tais como a forma do corpo e opções de montagem pode parecer superficial, mas eles têm implicações significativas para o desempenho do aplicativo e pode se traduzir em mais custos.

O tamanho é importante. Quanto maior a antena, melhor a antena. O tamanho permite que a antena tenha uma largura de banda maior, maior ganho e melhor eficiência. Note que cada rede tem suas propriedades e estas afetarão a função da antena.


Ambiente de trabalho e modo de montagem : A antena pode ser montada externamente (exposta à umidade, variações de temperatura) ou interna. A montagem pode ser feita com: um adesivo em uma superfície, diretamente através de um conector, integração em uma PCB ou em um invólucro de dispositivo, magnético em um telhado, em uma estação base em um prédio ou escritório, com um parafuso em uma lataria, em um prédio ou pilar.





Antena - 900 MHz, Yagi, 11,1 dBi, N-fêmea . Digi code : A09-Y11NF, usado com a família de produtos 9XTend, 9XStream e XBee-PRO XSC (900 MHz).


construção Modelo : Montagem do suporte caminho cerâmica, dielétrica dipolo, de baixo perfil, Painel, Parabólico, Patch, PCB, PIFA, Puck, Shark Fin, atarracado, T-Bar, Chicote, Yagi.


Tipo de conector : fêmea / fêmea tipo BNC, Fakra, FME, GSC, Ipex, MCD, MCX, MMCX, tipo N, SMA, SMB, Solda, TNF, uFL.


Algumas opções para ter em mente:

As antenas de ângulo reto são antenas pequenas, simples de montar, aparafusando diretamente no modem. Eles são uma excelente opção para uso interno, onde a recepção não é um problema.


Antenas de perfil baixo, como um disco de hóquei, costumam ser usadas para aplicações em veículos e áreas públicas (como soluções de sinalização digital e quiosques) se a antena puder ser exposta a danos. Fixado facilmente com placas adesivas magnéticas, suficientemente seguro para uso em veículos, ou opções de montagem de parafusos mais seguras (requer perfuração da caixa).


Antenas enfaixadas ou antenas de chicote geralmente fornecem o mais alto desempenho e não precisam ser montadas em uma superfície plana para funcionar adequadamente. Oferece mais flexibilidade ao trabalhar em ambientes complicados, como barcos e postes elétricos.





Base da antena - conector SMACódigo Digi : 76000955, cabo RG58, 3m, montagem magnética.


As antenas com outras formasincluem antenas montadas no painel (planas e projetadas para serem montadas em uma parede horizontal) ou cúpulas (woofer de rádio transparente) projetadas para aplicações específicas. Considere o que você usa em outros aplicativos semelhantes para ajudar você a escolher.


O cabo é selecionado o mais rápido possível. Quanto mais longa a condução, mais o sinal é perdido. Evite estender os cabos conectando um cabo de extensão, pois os conectores são outra causa de perda de sinal.


Características da antena

Impedância da antena . A impedância de uma antena é a resistência real mais a reatância que aparece nos terminais da antena. A capacidade e a indutância são determinadas pelo tamanho e forma da antena. A transferência máxima de energia ocorrerá quando as impedâncias da fonte e da antena coincidirem. Os sinais de radiofreqüência são conduzidos por cabos elétricos entre os transmissores / receptores e as respectivas antenas. Se as impedâncias forem diferentes (inadequadas), parte da energia enviada para a antena será refletida de volta para a carga ou perdida pelo calor.

A antena RF na indústria tem uma impedância de 50Ω. A maioria dos circuitos integrados é projetada para uma carga de 50Ω.

Fabricantes de antenas geralmente projetam e caracterizam antenas a 50Ω.





Esquerda: Antena Celular, 3G / 4G / LTE, 3dBi, SMA macho . Digi code : 76000926. À direita: antena de meia onda de 868 MHz, 2.1 dBi, RPSMA macho . Digi code : A08-HASM-560


Eficiência . Parte da energia captada ou emitida é perdida devido ao componente resistivo da antena. É por isso que os materiais com a menor resistência são escolhidos. A eficiência é medida pela quantidade de entrada de energia na antena, que é irradiada no espaço livre. Alguns dos sinais enviados pelo transmissor da antena são irradiados como ondas de rádio - onde eles são diretos. A diferença que não é irradiada e retorna ao transmissor é a onda refletida.


Quanto mais reflexos refletidos, menor a eficiência. Ondas refletidas também carregam o final do emissor que pode ser destruído. Além disso, ondas estacionárias podem causar interferência em outros serviços de rádio. ondas reflectidas ocorrer devido à falta de impedância (transmissor e o cabo da antena), materiais de má qualidade (condutora, dieléctrico), desequilíbrio, solo influência ou veículo cúpula (em estações automático), temperatura ambiente, coaxial comprimento da antena achatada incorrecta. O parâmetro de impedância de antena e VSWR (indicando que o sinal numérico eficaz reflectida de volta, mas também como bem adaptado a impedância da antena para o transmissor ou linha de transmissão está ligado) para a medição da frequência central desempenha um papel importante na eficiência.

www.antenna-theory.com/definitions/vswr.php


Ressonância da antena . O ponto de ressonância da antena (a frequência central de operação) e a largura de banda são dois fatores importantes e são mencionados para qualquer antena. O ponto de ressonância é a freqüência na qual a antena parece resistiva (a reatância capacitiva e indutiva se anulam).

A largura de banda mostra o quanto ela pode efetivamente operar em um projeto específico.


Direção da antena e ganho de ganho (ganho) . Dependendo da forma e posicionamento dos elementos de antena, pode ter uma emissão de radiação de campo eletromagnético específica com componentes tridimensionais.

A diretividade mede até que ponto a radiação emitida está concentrada em uma direção. Uma antena omnidirecional irradia aproximadamente igual em todas as direções. A energia radiada restante após dissipar parte da energia no lado resistivo da antena é considerada como Ganho, expressa em dB. Dependendo do projeto, um sinal com potência máxima pode ser irradiado na direção desejada. Se o fator Ganho aumentar, a largura espacial da radiação diminuirá.


NOTA . A diretividade é uma comparação da forma do padrão de radiação da antena testada com um padrão de radiação de referência. Mais frequentemente, a referência seria o modelo esférico perfeito do modelo isotrópico. As unidades dessa medida são decibéis em relação ao padrão isotrópico ou dBi. Uma antena dipolo também é usada como referência, caso em que as unidades são expressas em dBd (decibéis em relação ao dipolo). Um dipolo tem um ganho de 2,15dB sobre isotrópico ou dBi = dBd + 2,15dB. Ao comparar os ganhos, é importante observar se o ganho é expresso em dBd ou dBi e convertido de acordo.


Ecas Electro | www.ecas.ro


A ECAS Electro ( www.ecas.ro ) é uma distribuidora autorizada da Digi International Inc. ( www.digi.com )


Detalhes técnicos e comerciais : birou.vanzari@ecas.ro

O poder silencioso dos super capacitores



1 DE OUTUBRO DE 2018


Desde a captura de energia até as usinas de energia, o uso da eletrônica de potência está em toda parte, sem aplicações que exijam muita energia. A indústria de eletrônica de potência é muito dinâmica e muitas novas tecnologias tornaram o impossível possível hoje. Em uma busca ininterrupta por níveis mais altos de desempenho, segurança e sustentabilidade, novos componentes e tecnologias como Wide Bandgap Semiconductors e Digital Power Management recebem intensa publicidade com atenção e atenção cobertura. No entanto, escondido na sombra, há um componente que é muito importante e intrinsecamente envolvido em muitas aplicações vitais: Super capacitor.





Fonte da imagem: PRBX / Shutterstock / Sakkmesterke


Os super-capacitores estão em quase toda parte, porém, como são vistos como componentes passivos com uma baixa conotação técnica, eles raramente estão no centro das atenções. É hora de trazê-los de volta ao palco, então vamos ver a fascinante história e tecnologia por trás do poder silencioso dos supercondensadores.


De Howard Becker a Elon Musk

Na década de 1950, quando os condensadores eram feitos de papel e pequenos, a General Electric investigou maneiras de aumentar a capacidade de armazenar e liberar níveis mais altos de energia e de poder absorver distorções de tensão em produtos eletrônicos e aplicações. militares ultra-secretos. A pesquisa foi conduzida por Howard I. Becker e sua equipe, e em 14 de abril de 1954, eles solicitaram uma patente para um "capacitor eletrolítico de baixa voltagem" usando um eletrodo de carbono poroso. Em 23 de julho de 1957, patente US2800616A foi lançado, abrindo caminho para futuras inovações. A invenção de Becker foi o início de uma corrida entre laboratórios para transformar a invenção em um componente capaz de produção em massa (por exemplo, em 1958, A Philips NV patenteou um processo de produção de eletrodo de capacitor eletrolítico) com desempenho superior. O capacitor eletrolítico nasceu.


Embora a invenção do capacitor eletrolítico tenha sido um passo importante para a indústria eletrônica, a capacidade ainda não foi suficiente para armazenar os níveis mais altos de energia necessários para estabilizar uma rede elétrica ou fornecer os níveis de energia extremamente altos exigidos. por algumas aplicações na indústria de defesa. Foram necessários outros seis anos de pesquisa, após a patente de Becker, até que o engenheiro Robert A. Rightmire, da Standard Oil Company, foi concedido em 29 de novembro de 1966, patente US3288641A, para um "dispositivo de armazenamento de energia" descrito como:

Devido à sua capacidade de armazenar e liberar altos níveis de energia por muito pouco tempo, eles intensificaram a investigação sobre super-capacitores de alta performance na EV (veículo eléctrico) eo número de invenções e patentes disparou. A maioria dos aplicativos de EV armazenava a energia gerada pela desaceleração e procurava reutilizá-lo para acionar o acelerador. Potenciais super-capacitores despertou a atenção março 2011 Forum Cleantech San Francisco, quando Elon Musk disse sobre o futuro dos veículos eléctricos: "Se eu tivesse que fazer uma previsão, eu acho que há uma alta probabilidade de que sem baterias mas super-capacitores são os únicos a fornecer energia no futuro EV. "Só para lembrar, Musk veio originalmente para a Califórnia para estudar em Stanford a física dos capacitores de alta densidade. Seus discursos provocaram muita especulação sobre o potencial dos supercondensadores, com a percepção de que eles poderiam ser a solução para armazenar energia, eventualmente substituindo as baterias. A realidade é um pouco diferente, desde as patentes originais de Becker e Rightmire até hoje, a tecnologia de supercondensador progrediu em um silêncio justo "nos bastidores".





Figura 1: A supercondensadora consiste de uma base de dois eletrodos, um separador e um eletrólito. Fonte da imagem: PRBX


Como isso funciona?

Como lembramos da escola, um condensador consiste em dois selos de metal ou conduíte separados por um isolante, como ar ou plástico ou cerâmica. Durante a carga, o elétron se acumula em um condutor e sai do outro. Usando métodos convencionais de fabricação, o armazenamento da energia convencional do condensador é limitado pelas leis da física, e aqui a invenção de Robert A. Rightmire abriu novos caminhos para armazenar grandes energias.

Uma supercondensadora consiste de dois eletrodos, um separador e um eletrólito. Os eletrodos são feitos de um coletor metálico, que é a parte altamente condutora e um material ativo (mais comumente óxidos metálicos, carbono e grafite são usados), que é a grande área de superfície. Os dois eletrodos são separados por uma membrana que permite a mobilidade de íons carregados, mas proíbe a condução elétrica. O sistema é impregnado com um eletrólito (Figura 1). As dimensões geométricas das duas folhas de carbono e os separadores foram projetados para ter uma área de superfície muito grande. Devido à sua estrutura, o carbono de alta porosidade pode armazenar mais energia do que um capacitor eletrolítico.

Quando uma voltagem é aplicada à armadura positiva, ela atrai íons negativos do eletrólito, e quando uma voltagem é aplicada na armadura negativa, ela atrai íons positivos do eletrólito. Como resultado, as camadas de íons formadas em ambos os lados da armadura realizam o que é chamado de formação de "dupla camada", levando os íons a serem armazenados próximos à superfície do carbono. Este mecanismo oferece aos super capacitores a capacidade de armazenar e usar alta energia em curtos períodos de tempo.

A superfície da parte ativa é a chave para a capacitância do super capacitor e, pelo que sabemos, o aumento da superfície leva ao aumento da capacidade. O que é particularmente interessante e excitante na tecnologia de supercapacitores é a possibilidade de introduzir nanotecnologias. Um exemplo é a substituição da camada convencional de carbono ativo por uma camada fina de bilhões de nanotubos. Cada nanotubo é como um único cilindro com 5nm de diâmetro e 100μm de comprimento, crescido perpendicularmente aos eletrodos condutivos, e usando bilhões de tais nanotubos é possível obter níveis extremamente densos de capacidade.





Figura 2: Energia vs. Densidade de potência para vários tipos de dispositivos de armazenamento de energia Fonte de imagem: PRBX


Substituirão as baterias dos supercondensadores?

Após declarações de Elon Musk do Fórum Cleantech 2011 tem despertado grande interesse para super capacitores e, claro, o potencial da nanotecnologia, o que mantém as esperanças alta que em algum lugar no futuro, super-capacitores poderia chegar ao ponto onde para equalizar o desempenho da bateria. Como pode ser visto na Figura 2, que expressa energia vs. densidade de energia para diferentes tipos de dispositivos de armazenamento de energia, os níveis de desempenho de células de combustão convencionais, baterias, capacitores e condensadores convencionais não se sobrepõem. No entanto, eles estão concluindo e os avanços tecnológicos recentes reduzem o espaço entre as baterias e os supercondensadores.

Cada uma das tecnologias tem suas próprias vantagens e desvantagens que os projetistas de energia levam em consideração ao desenvolver sistemas de energia.

A Figura 3 compara os principais parâmetros das baterias de íons de lítio e supercondensadores, e é óbvio que uma das principais vantagens dos supercondensadores é o número extremamente alto de ciclos de uso, o que significa que pode ser carregado e baixado por um número virtual tempos ilimitados, o que é improvável que seja o caso de baterias eletroquímicas que definiram um ciclo de vida muito mais curto.

O fenômeno do envelhecimento também é favorável aos supercondensadores. Em circunstâncias normais, de uma capacidade original de 100%, eles perderão apenas 20% em 10 anos, o que está bem acima dos níveis atingidos por qualquer bateria. Para projetistas de sistemas que precisam alimentar sistemas de energia em ambientes difíceis, os supercondensadores operam em temperaturas muito baixas a muito altas, sem degradação, o que sabemos que não é o caso das baterias. Por outro lado, a descarga de supercondensadores em 30 a 40 dias é de 100 a 50%, enquanto a descarga automática de baterias de chumbo ou lítio é de apenas 5% no mesmo período, mas a tecnologia melhora diariamente, e os supercondensadores estão ficando cada vez melhores.





Figura 3 (Tabela): Comparação dos principais parâmetros entre baterias de íons de lítio e super-capacitores Fonte da imagem: PRBX


Com o aumento dos requisitos de energia renovável e questões de armazenamento de energia, a questão da razão por trás da construção de enormes bancos de baterias de íons de lítio está aumentando. Todos sabemos que essas baterias têm vida útil limitada, mas também usam materiais preciosos que não são fáceis de reciclar e que estão associados a riscos ambientais. Aqui é o lugar onde a pesquisa é muito interessante, com apreciações de apresentações como as feitas pelas Universidades de Surrey e Bristol em fevereiro de 2018 sobre o desenvolvimento de materiais poliméricos. Eles atingiram valores de capacidade prática de até 4 F / cm2, quando o padrão industrial é de 0,3 F / cm2 e espera-se que atinjam valores em um futuro próximo de 11-20 F / cm2. Quando esses níveis de capacidade são atingidos, podemos falar de 180Wh / kg, que é semelhante às baterias de íon de lítio. O nível de pesquisa na área do supercondensador é realmente impressionante, e a lacuna entre os capacitores e as baterias se fecha. Assim que isso acontece, permanece desconhecido, mas se considerarmos o número de patentes, os artigos apresentados e o nível de interesse da indústria, isso não deve durar muito tempo.


Ele faz seu trabalho silenciosamente

Os supercondensadores estão em quase toda parte e é quase impossível escrever uma lista exaustiva de aplicativos. Desde o experimento de ônibus de Xangai, ou seja, o uso de uma frota de ônibus alimentada apenas por supercapacitores, até dispositivos inteligentes de medição e dispositivos de recuperação de energia, eles estão em toda parte. Naturalmente, sua capacidade de suportar muitos ciclos de carga e descarga os torna ideais para instalações elétricas ou veículos públicos ou privados. Por exemplo, instalações como guindastes portuários podem acumular e reutilizar energia. Mas em muitas aplicações, quando os projetistas precisam de potência de pico, super capacitores estão lá.

Se você é áudio, seu amplificador de áudio pode conter um banco de supercapacitores capaz de fornecer kilowatts de potência de pico ao difusor de graves quando Ferruccio Furlanetto interpreta as notas de fundo de Don Quichotte. Se você tiver um medidor inteligente em casa, é muito provável que ele contenha um super capacitor capaz de fornecer energia de pico ao transmitir dados armazenados no módulo GPRS. Novamente, se você está obcecado com a tecnologia e assistir ao projeto Lamborghini 'Terzo Millennio', você será capaz de ver o papel importante que os super-capacitores desempenham no automobilismo deste carro esportivo muito especial.





Figura 4: O PRBX 29F Super Capacitor substitui as baterias em aplicações exigentes como solução de pico de energia e unidade de backup. Fonte da imagem: PRBX


A segurança é outra vantagem dos supercondensadores, e é por isso que eles são a primeira escolha quando o backup ou o pico de energia é necessário em um ambiente restritivo. Aplicativos críticos que operam em ambientes hostis ou restritos são estritamente normalizados em termos de riscos químicos ou outros, reduzindo ou proibindo certos tipos de baterias, como Íons de Lítio. Por motivos de segurança, esses aplicativos devem ter reserva de energia suficiente para ativar alarmes e encerrar processos com segurança. Em situações tão duras, as baterias usuais são substituídas por supercondensadores, cujo valor pode variar de alguns Farads a 200 Farases, para aplicações gerais (Figura 4).


O que vem a seguir?

Como vimos, a tecnologia de super capacitor está se movendo muito rápido. Os desafios colocados pelos problemas de armazenamento de energia talvez sejam a área em que vemos imediatamente os benefícios das nanotecnologias envolvidas nos supercondensadores.

Um exemplo na conclusão deste artigo é uma pesquisa muito interessante conduzida sob a liderança da Universidade Central da Flórida sobre a combinação de cabos de distribuição com supercondensadores. O professor Jayan Thomas, do NanoScience Technology Center, encontrou uma maneira de melhorar um condutor de cobre comum para transformá-lo em um cabo de supercondensador. Baseado na tecnologia de nanowhisker, o condutor de fio de cobre padrão pode ser transformado em um super capacitor capaz de armazenar e entregar grandes quantidades de energia.

Assim, com certos graus de silêncio, os super capacitores se tornam os componentes mais promissores para o futuro. Muitos projetistas de energia já estão implantando soluções supercondutoras, mas considerando a rapidez com que as enormes pesquisas e desafios que a humanidade enfrenta como resultado da mudança climática estão ocorrendo em um dos dias de um futuro ainda não distante. os supercondensadores serão o coração das modernas soluções de energia.





Autor : Patrick Le Fèvre, Diretor de Marketing e Comunicação, Powerbox

domingo, 5 de agosto de 2018

RODELÃO6970 2018 AGSTO

Fim de uma era! Rádio FM começa ter sinal desligado pelo mundo; no Brasil deve demorar


Apesar de estar disponível no hardware de muitos aparelhos, fabricantes como a Samsung, por exemplo, não disponibilizam mais o software de rádio FM em seus dispositivos. Seguindo essa tendência mundial, a Noruega é o primeiro país do mundo a acabar onde as transmissões estão migrando completamente, a partir desta semana, para o sistema digital.
Diferente daqui do Brasil, por lá o rádio se tornou um tanto quanto irrelevante na vida da população e desde 2011, seis anos atrás, o governo aprovou o desligamento das transmissões, que até o final do ano em todo país será totalmente digital.

.Imagem relacionada

Entre os fatores que motivaram esse projeto, segundo o governo norueguês, foram os altos de manutenção em virtude das condições topográficas do país. Dessa forma as emissoras devem economizar cerca de US$ 200 milhões (R$ 700 milhões) ao ano coma mudança do formato.
Contudo, a medida não teve apoio popular, inclusive com a Associação de Rádios Locais criticou a postura do governo por conta das demissões que isso deve acarretar, principalmente em emissoras pequenas.

Aqui no Brasil, no entanto, essa tendência mundial ainda deve demorar bastante para acontecer por diversos motivos. A começar pelo rádio ainda ser bastante influente, principalmente entre as donas de casa e pessoas mais velhas, assim como para saber informações sobre o trânsito enquanto se dirige.
O segundo fator é que a frequência AM ainda existe, apesar de muitas rádios terem migrado para o FM e, também, isso depende muito da liberação das faixas 5 e 6 atualmente utilizadas pela TV analógica, assim que o sinal de televisão digital for implantado em todo o território nacional.

RODELÃO6970 2018 AGOSTO

O fim do Rádio AM! Decreto que prevê prazo para migração ao FM é assinado




Enquanto o sinal de rádio FM tem sido desligado pelo mundo desde janeiro do ano passado, no Brasil ele ainda é bastante popular. Já o que está perdendo espaço é o AM, cujas emissoras têm procurado dials na “frequência modulada” para alocar seus espaços e facilitar o acesso aos ouvintes.

A migração já está ocorrendo há algum tempo e agora ela deve evoluir em uma velocidade maior. Nesta quinta-feira, o presidente da República em exercício, Rodrigo Maia, assinou o decreto que abrirá o prazo de 180 dias para as rádios que ainda operam na faixa AM solicitarem a migração para a FM. A medida atendeu a um pleito da ABERT.

A expectativa é que o decreto presidencial já seja publicado no Diário Oficial da União nos próximos dias. Quando isso acontecer, começará o prazo legal. As rádios AM que atuam em cobertura local, regional ou nacional, com interesse na migração, deverão solicitar a mudança ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Atualmente, das 1.781 estações em “amplitude modulada”, 1.332 já pediram a adaptação da outorga. Delas, 619 chegaram a assinar o aditivo contratual. O decreto fará com que até 449 emissoras AM consigam dar entrada na alteração. Da mesma forma que foi feito na primeira fase, a ABERT ficará à disposição para orientar as emissoras com interesse na migração a respeito de todas as etapas do processo.


quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Haja paciência

Colegas Radioamadores:


Como Radioamador que sou, escrevo este pequeno desabafo para com aqueles que partilham a minha opinião, e para outros tantos que provavelmente nem irão entender o que direi nestas palavras.
Sou Radioamador há vários anos, não há tantos assim que me permitam ter um indicativo começado pelas primeiras letras do alfabeto. Sou “do tempo” da Banda do Cidadão, tendo “migrado” para as bandas de Amador não por convicção, mas por “arrasto”. Não me sinto frustrado por ter “passado” para as bandas de Amador, mas confesso um pequeno arrependimento por o ter feito, iludido por uma mão-cheia de colegas que me fizeram acreditar que estas bandas eram “diferentes”.
Não tenho formação académica superior, nem sou filho de doutores, mas tenho de dizer que acho triste e mesmo ridícula a forma como alguns Amadores falam no “éter” e já agora a forma como escrevem na Internet. Esta forma de estar deixa muito a desejar quando tanto se fala na “dignificação do hobby”!
Somos Amadores e não passaremos disso… somos faladores e maus… somos colegas, mas só na “vertical”, somos organizados, mas só no papel…
Quando há alguns anos eu comecei a pensar e ficar cada vez mais com a convicção que a maioria dos Radioamadores não prestavam, sendo uma percentagem elevada de ignorantes, uma outra de conflituosos e arruaceiros e só um pedacinho deles com interesse… pelos vistos não me enganei…
Não consigo compreender que, um colega que “suba” à frequência e diga “deltas” em vez de “desculpas”, seja logo criticado, quase que chacinado, muitas das vezes por colegas que fazem bem pior, limitando-se a criticar e cuspir no microfone e que depois vão para as “directas” com piadinhas sem propósito, algumas delas mesmo obscenas e vão também para os sites de Radioamadorismo dar pontapés atrás de pontapés no Português! Será que o Radioamador, enquanto pessoa que investiga e desenvolve a técnica, não é capaz de desenvolver a sua capacidade pessoal, intelecto e também uma correcta conduta e forma de estar? Onde está o nosso brio? Onde está a dignificação do nosso hobby e das pessoas? Onde está a diferença entre Cebeísta e Radioamador? Afinal quem não presta não presta, seja numa banda, seja na outra, seja na estrada seja na rua, seja no “éter”… vai de mal a pior…
Vergonha a minha quando há pouco tempo sugeri a um potencial interessado nas radiocomunicações amadoras, que visitasse o site “radioamadores.net” para se começar a ambientar e ter algum contacto com aquilo que é o Radioamadorismo… e passados alguns dias, sou surpreendido com a seguinte pergunta da sua parte: “Daniel, mas será que estas pessoas não sabem escrever? Como vão saber falar? Será que faço bem em começar este hobby?”. Pior que isso, quando fizemos um pouco de escuta nos repetidores nacionais de VHF e UHF, o que ouvimos? Colegas a tratarem-se mal, ameaços físicos, asneiras, música, portadoras… enfim… de tudo um pouco desta chafurdice que começa a ser cada vez mais “o pão-nosso de cada dia”…Não me restou outra alternativa senão baixar a cabeça e dizer… “pois… infelizmente é assim”
Por estas e por outras, não consigo reconhecer qualquer legitimidade a uma grande maioria daqueles que tanto criticam nas bandas e quando pegam no microfone, na caneta ou no teclado, são uma verdadeira vergonha para todos nós…
Cada vez mais é para minha tristeza quando vejo que grande parte dos Radioamadores não passam de colegas sem formação, sem informação, sem interesse, sem valores, arruaceiros e conflituosos, onde o único lugar que encontraram e foram aceites, é no “éter”, atrás de um microfone… aí sim, nem que não saibam falar e estar, alguém os terá de ouvir!
Mais uma vez digo… não sou filho de doutores, não tenho formação académica superior, mas faço um esforço para poder dar uma boa imagem do Radioamadorismo e dos Radioamadores.
Não quero de alguma forma com este artigo, ferir seja quem for, até porque nem todos podem ser aquilo que desejariam, mas tenho a certeza que a maioria dos colegas podia ser um pouco melhor, tanto na escrita como em frequência.
Vejo folhas “log” de concursos a serem entregues em pedaços de papel, escritas a vermelho, incompletas… vejo QSO’s sem qualquer preocupação por quem está a ouvir, afastando os que se pretendem juntar ao hobby inclusivamente as senhoras e crianças.
Infelizmente, quase que não me é possível trazer o rádio de Amador ligado na viatura quando a minha família está presente... pois tenho medo de a qualquer momento ser presenteado com uma bojarda qualquer de um javardo com um microfone…
Uma grande parte das conversas, têm sempre de ter uma pitada de machismo ou “bitaites” sobre esta ou aquela… Por vezes alguns QSO’s parecem servir até para uma grande parte frustrados provar a sua virilidade através de provocações e comentários menos próprios…Serão a maioria dos Radioamadores uma cambada de depravados, doentes mentais e delinquentes? Ouvem-se constantemente ameaços de pancada, provocações, portadoras intencionais… seremos nós uma classe de arruaceiros?
É raríssimo encontrar um QSO de qualidade, com tema, sem provocações, sem falar mal de fulano ou sicrano, sem falar da mini-saia da menina que vai a passar, sem dizer que está um lindo sol e que com o calor as coisas começam-se a “descascar”, e o que é bom é para se ver.
Após uma pesquisa mais cuidada na Secção de “Trocas e Vendas” do conhecido Site “radioamadores.net”, vejo que uma grande maioria dos Radioamadores, além de não se saberem comportar em frequência, não passam também de analfabetos imbecis, camuflados com indicativos rádio que nem sequer escrever sabem. Os “bons” radioamadores costumam dizer… “se não sabem… não falem”… agora digo eu… “se não sabem, não escrevam”… Se são capazes de pedir a um colega para ajudar a afinar uma antena, uma cavidade, seja o que for, peçam também a alguém para corrigir os textos antes de os publicarem. Pior que tudo, até na Internet há picardias entre Radioamadores!
Por todas estas e mais algumas, tenho cada vez mais de dar o máximo valor e mostrar o meu reconhecimento àqueles que continuam a lutar contra esta maré poluída, que formam bons Radioamadores e que até incentivam crianças a ingressar neste hobby, que se não fosse esta poluição de pessoas mesquinhas e sem interesse, seria uma forma agradável de partilhar, aprender e desenvolver qualquer coisa de bom, mas, que para mim e no actual panorama, não passa em grande parte de um sítio onde os piores se encontrar e chafurdam na mesma pia.
Para mim, o que foi entusiasmo, passou a desinteresse, revolta, passando agora despercebido. Falo no rádio porque gosto de comunicar, mas sem o interesse dos “velhos tempos”, onde os operadores de rádio eram pessoas educadas, cordiais, correctas, partilhando apenas um prazer… o de comunicar.
O Radioamadorismo é cada vez mais um negócio e não um passatempo… é cada vez mais uma forma de exteriorizar frustrações pessoais e não de as colmatar, uma forma de desabafo javardo e não de troca de opiniões… muitas vezes até, uma forma de enaltecer o ego de cada um, e não de se enriquecerem do ponto de vista intelectual, enquanto seres pensantes que são…
As memórias das bandas de Amador nos meus equipamentos têm mais “skips” que outra coisa… porque não quero passar pela vergonha de parar numa dessas frequências quando vou com alguém ao meu lado… este é para mim o panorama triste que temos… claro que alguns dirão que estarei a ser pessimista ou mesmo derrotista, mas não me resta outra alternativa senão o QRT quase sistemático.
Àqueles que me ajudaram, me apoiaram, ensinaram, entusiasmaram e deram longas horas de boas comunicações rádio, que me ajudaram a passar mais depressa uma viagem ou a preencher um momento de tédio… o meu bem-haja… aos que estragam, conspurcam e destroem as bandas de comunicações amadoras, às entidades oficiais que mais parecem estar a ser guiadas por interesses, não nos passando o mínimo de “cavaco”, reservando o seu tempo de operação e actuação para as licenças milionárias de telefonia dos operadores móveis, não posso deixar de sentir a minha legítima revolta e pesar por tão grande incompetência e irresponsabilidade.
Podemos mudar o significado de algumas siglas, podendo quem sabe “CT” passar a ter o significado de “Cambada de Terroristas” ou “Comunicações da Treta”.



Cumprimentos respeitosos

Daniel Leitão
CT2GXZ
Micróbio

TEMPO