Rádio 6970

HF-AUTO RÁDIO LIDER FM

BEM VINDOS AO RODELÃO6970

sábado, 1 de agosto de 2015

AULA DE TELEGRAFIA PRIMEIRA PARTE CHAMADA GERAL

AULA DE TELEGRAFIA SEGUNDA PARTE CHAMADA GERAL

AULA DE TELEGRAFIA PRIMEIRA PARTE CHAMADA GERAL

PORQUE OS RADIOAMADORES AMERICANOS SÃO CHAMADOS HAM







Você já se perguntou alguma vez por qual razão os radioamadores americanos são conhecidos por HAM? Bem, de acordo com Northen Ohio Radio Society, a razão é e a seguinte:

A palavra HAM foi criada em 1908 e se tratava das letras de chamada de uma das primeiras estações sem fio amadoras, operada por membros do Harvard Radio Club. Esses membros eram Albert S. Hyman, Bob Almy and Peggie Murray. No início eles batizaram sua estação como Hyman-Almy-Murry. Como o nome era muito longo para telegrafia, revisaram e mudaram para HY-AL-MU, usando as primeiras duas letras de cada sobrenome. No início de 1909, estava havendo confusão entre sua estação HYALMU com um navio mexicano HYALMO, então decidiram usar apenas as primeiras letras, ficando HAM.

Naquela época do pioneirismo do rádio, não havia legislação para radioacomunicações e seus operadores escolhiam suas letras de chamada. E como atualmente, algumas estações amadoras tinham sinais melhores que de muitas estações comerciais. A interferência que resultava disso chamou a atenção de comitês do congresso, em Washington, e acabaram propondo limitar drasticamente a atividade amadora. Em 1911, Albert Hyman escolheu a controversa norma como tópico para sua tese de mestrado em Hardvard. Seu instrutor insistiu que uma cópia fosse enviada ao senador David I. Walsh, membro de um dos comitês da norma. O senador ficou tão impressionando que apresentou um apelo ao comitê. Quando foi convidado à falar frente ao comitê, descreveu a dificuldade com que uma pequena estação amadora foi construida, chegando ao final quase aos prantos. E se a norma fosse realmente aprovada com aquelas limitações, nenhum amador teria condições financeiras para se estabelecer, muito menos pagars as altas taxas de operação que estavam sendo propostas.

Os debates se iniciaram e a pequena estação HAM, da tese de mestrado de Hyman, se tornou símbolo das pequenas estações amadoras que clamavam salvação da ameaça e ganância das ricas e poderosas estações comerciais que não as queriam funcionando. Finalmente a norma foi ao congresso e todos começaram a falar sobre a pobre estação “HAM”. Foi assim que esse nome surgiu e acabou sendo sinônimo de radioamador. Você encontrará a história toda na Biblioteca do Congresso. Daquele dia até hoje, e provavelmente até o final dos tempos, radioamador é HAM.



73′s de Gerry, WD4BIS

RODELÃO 6970 QAP NORDESTINO DE COMUNICAÇÕES


  ELETROMAGNETISMO  VIABILIZA ANTENAS DENTRO DE CHIPS






Descoberta sobre eletromagnetismo
Se a onda tecnológica atual dava a impressão de que já sabíamos tudo sobre o eletromagnetismo e a transmissão de dados por meio de antenas, ficou claro agora que essa era uma suposição ilusória. Uma nova descoberta não apenas complementa e estende as teorias atuais, como também tem implicações práticas imediatas para a melhoria da própria tecnologia, com grande impacto no campo das transmissões via rádio, hoje mais conhecidas pelo termo wireless (sem fios). Físicos acabam de apresentar uma nova descrição da natureza mais íntima do eletromagnetismo que torna possível a construção de antenas pequenas o suficiente para serem inseridas dentro dos chips de computadores, tablets e celulares. E, no nível mais fundamental, a nova descrição alinhava uma ponte entre as teorias da física clássica e da mecânica quântica.
Dimensões das antenas
O entendimento atual das ondas eletromagnéticas vem do trabalho de James Clerk Maxwell, feito há mais de 150 anos, que estabelece que as ondas eletromagnéticas são geradas pela aceleração dos elétrons. Impulsionados por uma corrente elétrica, os elétrons aceleram e geram a radiação eletromagnética, ou ondas de rádio, que podem então ser dispersas pelo espaço através das antenas – a chamada radiação eletromagnética. Ocorre que, para emitir e captar essas ondas, as antenas precisam ter dimensões que são determinadas pelo comprimento das ondas usadas nas transmissões – dimensões estas que são incompatíveis com as dimensões dos circuitos eletrônicos ultraminiaturizados da atualidade. Dhiraj Sinha e Gehan Amaratunga, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, descobriram agora que não precisa ser assim.
Teoria incompleta
Os físicos sabiam que a teoria de Maxwell era incompleta há várias décadas, desde que foram descobertos materiais conhecidos como sólidos dielétricos, que normalmente agem como isolantes, nos quais os elétrons não estão livres para se mover – mas esses materiais dielétricos geram e emitem radiação eletromagnética. Além disso, o fenômeno da radiação devido à aceleração dos elétrons não tem uma contrapartida na mecânica quântica, onde se assume que os elétrons saltam entre estados discretos de energia. Apesar da incompletude da teoria, isso não impediu que esses materiais fossem usados na prática: os ressonadores dielétricos são a base das antenas dos telefones celulares, por exemplo. Os dois pesquisadores descobriram agora que o fenômeno da radiação eletromagnética não precisa ser gerado apenas pela aceleração dos elétrons: ele é gerado também por um processo chamado quebra de simetria.
Quebra de simetria do campo elétrico
Em física, a simetria é uma indicação de uma característica constante de um aspecto particular de um sistema. Neste caso em particular, quando os elétrons estão em movimento no material, há uma simetria do campo elétrico. Usando uma película muito fina de material piezoelétrico, a dupla demonstrou que é possível quebrar a simetria do campo elétrico aplicando um tensão assimétrica ao material. Isto gerou uma radiação eletromagnética que se espalha pelo espaço livre ao redor, demonstrando que o material pode funcionar como uma antena mesmo em escalas nanométricas.
Assim, a radiação eletromagnética emitida pelos materiais dielétricos é gerada tanto pela aceleração dos elétrons nos eletrodos metálicos conectados a eles, como Maxwell previu, quanto pela quebra de simetria do campo elétrico gerada pela chegada desses elétrons no material isolante. Além de permitir fabricar antenas dentro dos próprios chips, a descoberta pode ser o elemento que faltava na teoria eletromagnética. “Eu não estou sugerindo que nós tenhamos descoberto alguma grande teoria unificadora, mas esses resultados vão ajudar a entender como o eletromagnetismo e a mecânica quântica se cruzam e se juntam. Eles abrem um enorme conjunto de possibilidades a serem exploradas,” disse Amaratunga.
Aplicações práticas
A descrição deste novo fenômeno terá efeitos práticos imediatos, não apenas para os telefones celulares e para as redes sem fios, mas também para tecnologias que estão dependendo de um impulso de miniaturização para decolar, como a Internet das Coisas, que depende de transmissores e receptores sem fios muito pequenos – algo limitado pela atual dimensão das antenas. Os materiais piezoelétricos usados no experimento podem ser fabricados na forma de filmes – ou películas muito finas – usando semicondutores como o niobato de lítio, o nitreto de gálio ou o arseneto de gálio, todos bem conhecidos da indústria eletrônica e totalmente integráveis no interior dos chips.
Fonte da notícia: Inovação Tecnológica

 Fonte da notícia: Inovação Tecnológica
 PU7BGP GILVAN PEREIRA DA SILVA BRANCO

TEMPO