Rádio 6970

HF-AUTO RÁDIO LIDER FM

BEM VINDOS AO RODELÃO6970

sábado, 16 de janeiro de 2016

ONDAS DE RÁDIO

As ondas de rádio (AM e FM) são ondas eletromagnéticas. Fazem parte dos chamados raios hertzianos, que englobam também os raios da TV. Elas têm comprimento de 3 . 108 nm até 3 . 1017 nm, apresentam baixa energia, e sua recepção e transmissão são feitas por antenas.


                                                            PU7BGP GILVAN BRANCO

As ondas de rádio são ondas eletromagnéticas, ou seja, são ondas formadas pela oscilação simultânea de um campo elétrico e de um campo magnético perpendiculares entre si.  No entanto, existem vários tipos de ondas eletromagnéticas; além das ondas de rádio e TV, também temos: micro-ondas, raios infravermelhos, radiação visível (luz), raios ultravioletas, raios X e raios gama.
O que diferencia uma onda eletromagnética da outra é o seu comprimento de onda (?= lambda), isto é, a distância entre dois picos consecutivos de uma onda.
No dia a dia, lidamos com estes vários tipos de onda. Algumas são claramente perceptíveis (como a visível, que é captada pelos nossos olhos), já outras precisam de aparelhos especiais para a sua detecção, entre elas estão as ondas de rádio (AM e FM), que são, na verdade, raios hertzianos.
Estes raios, em forma de radiação, apresentam baixa energia, e sua recepção e transmissão são feitas por antenas. Em sua faixa de radiação estão também as ondas de TV.
                                                                                          PY7KG MOREIRA
                                                                 PS7BOB ADENAUER
As ondas de rádio têm comprimento de 3 . 108 nm até 3 . 1017 nm.São utilizadas para transmissões radiofônicas (incluindo as ondas médias, curtas e longas). Além disso, não é só o ser humano que transmite este tipo de onda; as estrelas e as nebulosas também as emitem, sendo captadas por radiotelescópios e radiointerferômetros, permitindo assim seu estudo. Isto é ainda mais imprescindível quando estes corpos celestes estão além da captação dos telescópios ópticos.
Por Jennifer Fogaça
Graduada em Química
Equipe Brasil Escola.

LANDELL DE MOURA, FÍSICO BRASILEIRO

O primeiro a fazer uso de ondas de rádio sem a utilização de fios condutores ou cabos foi o físico brasileiro Landell de Moura.

A descoberta das ondas eletromagnéticas é um dos melhores exemplos da importância da pesquisa teórica básica para o desenvolvimento da tecnologia. A existência das ondas eletromagnéticas foi prevista por Maxwell no ano de 1856 e sua comprovação experimental foi realizada por Hertz, mais de 30 anos depois.
Apesar de pouco conhecido, o padre Landell de Moura foi o primeiro a fazer uso de ondas de rádio, ou seja, ondas eletromagnéticas, para transmitir informação sonora, de um local para outro, sem a utilização de fios ou cabos. A primeira demonstração pública de transmissão de voz ocorreu no ano de 1901, na cidade de São Paulo, cobrindo uma região de oito quilômetros.
Até então, as comunicações eram feitas por meio do uso do telégrafo com fio, inventado por Morse; do telefone, também com fio, de Graham Bell; e da transmissão de código Morse feita por Marconi. Entretanto, até a demonstração de Landell de Moura, ninguém havia conseguido transmitir a voz humana usando sinais de rádio.
O padre Landell requereu e conseguiu a patente, em 1901, para o desenvolvimento de um equipamento destinado a realizar transmissão fonética à distância, com ou sem o uso de fio, através do espaço.
Sem apoio de entidades governamentais e da Igreja, rumou para os Estados Unidos, onde também conseguiu três patentes: “Transmissor de Ondas”, precursor do rádio, “Telefone sem fio” e “Telégrafo sem fio”. Após conseguir as patentes nos Estados Unidos, retornou ao Brasil, acreditando que então teria algum tipo de apoio.
No entanto, não conseguiu sensibilizar a Marinha para usar suas descobertas na comunicação entre navios. A falta de visão e, principalmente, a falta de conhecimento do que estava sendo feito pelos cientistas na Europa e nos Estados Unidos acabaram com as possibilidades do rápido desenvolvimento de uma tecnologia nacional, na área das comunicações, no início do século.
Desiludido, o padre Landell de Moura abandonou suas pesquisas e dedicou-se somente à vida religiosa. Imediatamente após caducar o prazo de suas patentes, os americanos exploraram comercialmente essas descobertas. O reconhecimento de seu trabalho só veio muitos anos depois, quando a Telebrás deu o nome de Padre Landell de Moura ao seu centro de pesquisas. Além disso, os radioamadores brasileiros têm Landell de Moura como seu patrono.

Por Domiciano Marques
Graduado em Física

RODELÃO6970 E CULTURA (HISTÓRIA DO CARNAVAL E SUAS ORIGENS)

O carnaval é a festa popular mais celebrada no Brasil e que, ao longo do tempo, tornou-se elemento da cultura nacional. Porém, o carnaval não é uma invenção brasileira nem tampouco realizado apenas neste país. A História do Carnaval remonta à Antiguidade, tanto na Mesopotâmia quanto na Grécia e em Roma.
A palavra carnaval é originária do latim, carnis levale, cujo significado é retirar a carne. O significado está relacionado com o jejum que deveria ser realizado durante a quaresma e também com o controle dos prazeres mundanos. Isso demonstra uma tentativa da Igreja Católica de enquadrar uma festa pagã.
Na antiga Babilônia, duas festas possivelmente originaram o que conhecemos como carnaval. As Saceias eram uma festa em que um prisioneiro assumia durante alguns dias a figura do rei, vestindo-se como ele, alimentando-se da mesma forma e dormindo com suas esposas. Ao final, o prisioneiro era chicoteado e depois enforcado ou empalado.
O outro rito era realizado pelo rei nos dias que antecediam o equinócio da primavera, período de comemoração do ano novo na região. O ritual ocorria no templo de Marduk, um dos primeiros deuses mesopotâmicos, onde o rei perdia seus emblemas de poder e era surrado na frente da estátua de Marduk. Essa humilhação servia para demonstrar a submissão do rei à divindade. Em seguida, ele novamente assumia o trono.
O que havia de comum nas duas festas e que está ligado ao carnaval era o caráter de subversão de papéis sociais: a transformação temporária do prisioneiro em rei e a humilhação do rei frente ao deus. Possivelmente a subversão de papeis sociais no carnaval, como os homens vestirem-se de mulheres e vice-versa, pode encontrar suas origens nessa tradição mesopotâmica.
As associações entre o carnaval e as orgias podem ainda se relacionar às festas de origem greco-romana, como os bacanais (festas dionisíacas, para os gregos). Seriam festas dedicadas ao deus do vinho, Baco (ou Dionísio, para os gregos), marcadas pela embriaguez e pela entrega aos prazeres da carne.
Havia ainda em Roma as Saturnálias e as Lupercálias. As primeiras ocorriam no solstício de inverno, em dezembro, e as segundas, em fevereiro, que seria o mês das divindades infernais, mas também das purificações. Tais festas duravam dias com comidas, bebidas e danças. Os papeis sociais também eram invertidos temporariamente, com os escravos colocando-se nos locais de seus senhores, e estes colocando-se no papel de escravos.
Mas tais festas eram pagãs. Com o fortalecimento de seu poder, a Igreja não via com bons olhos as festas. Nessa concepção do cristianismo, havia a crítica da inversão das posições sociais, pois, para a Igreja, ao inverter os papéis de cada um na sociedade, invertia-se também a relação entre Deus e o demônio.
Ilustração medieval simbolizando um carnaval do período
Ilustração medieval simbolizando um carnaval do período
A Igreja Católica buscou então enquadrar tais comemorações. A partir do século VIII, com a criação da quaresma, tais festas passaram a ser realizadas nos dias anteriores ao período religioso. A Igreja pretendia, dessa forma, manter uma data para as pessoas cometerem seus excessos, antes do período da severidade religiosa.
Durante os carnavais medievais por volta do século XI, no período fértil para a agricultura, homens jovens que se fantasiavam de mulheres saíam nas ruas e campos durante algumas noites. Diziam-se habitantes da fronteira do mundo dos vivos e dos mortos e invadiam os domicílios, com a aceitação dos que lá habitavam, fartando-se com comidas e bebidas, e também com os beijos das jovens das casas.
Durante o Renascimento, nas cidades italianas, surgia a commedia dell'arte, teatros improvisados cuja popularidade ocorreu até o século XVIII. Em Florença, canções foram criadas para acompanhar os desfiles, que contavam ainda com carros decorados, os trionfi. Em Roma e Veneza, os participantes usavam a bauta, uma capa com capuz negro que encobria ombros e cabeça, além de chapéus de três pontas e uma máscara branca.
A história do carnaval no Brasil iniciou-se no período colonial. Uma das primeiras manifestações carnavalescas foi o entrudo, uma festa de origem portuguesa que na colônia era praticada pelos escravos. Depois surgiram os cordões e ranchos, as festas de salão, os corsos e as escolas de samba. Afoxés, frevos e maracatus também passaram a fazer parte da tradição cultural carnavalesca brasileira. Marchinhas, sambas e outros gêneros musicais também foram incorporados à maior manifestação cultural do Brasil.
_____________________________
*Créditos da imagem: irisphoto1 / shutterstock
**Créditos da imagem: Marcio Jose Bastos Silva / shutterstock
***Créditos da imagem: Celso Pupo / shutterstock

domingo, 10 de janeiro de 2016

RODELÃO6970


História do rádio. Origens e evolução do rádio até os anos 60. (Ing. Carlos A. Altgelt).








Quem você gostaria de ter que parar seu carro cada vez que eu quero ouvir o rádio? Claro que depende que o passageiro, especialmente se fosse uma menina bonita, talvez em uma noite de lua cheia ...


Acredite ou não, para ouvir o rádio no início da indústria automobilística que tinha que fazer exatamente isso, quem foi o passageiro, uma vez que os rádios da época eram muito menos sofisticados do que hoje rádios.


Hoje parece muito simples, quer entrar no carro, iniciar, ligar o rádio e lá está ele: o seu programa favorito.


Mas, na época dos avós era tudo muito diferente. Primeiro ele teve de obter baterias extras, porque o carro não tem energia suficiente.


As baterias são instalados no tronco ou no chão da viatura, casa Rádio foi depositada num banco. Uma vez chegado ao seu destino, talvez para um piquenique, tivemos de parar o motor (como o ruído elétrico gerado por ele extinguiu qualquer estação), coloque a antena no galho de uma árvore, a "terra" no terreno e depois esperar pacientemente receber um programa. Ore a Oração do Senhor também ajudou.


No entanto, a origem do rádio é por isso difícil determinar como a origem do carro. Quem foi o primeiro a instalar um receptor em um carro, você realmente não sei e provavelmente nunca vai saber, mas certamente não faltam candidatos ao título ¹. Pode-se até dizer que o primeiro "rádio do carro" realmente não foi um "radio" (se Fig. 1 não chamar sua atenção, talvez esta frase um pouco dissonante que foi alcançado).


A maioria das pessoas pensam que a auto-rádios foram inventado e desenvolvido noReino Unido sa início de '20. No entanto, foi em Chelmsford, Inglaterra, que as primeiras experiências com rádio "sobre rodas" foram realizados, mais precisamente, em 1897.





Fig. 1 - As experiências com rádio móvel, no THORNYCROFT ônibus vapor (1897). Marconi está na extrema direita. (Cortesia da Marconi Company Ltd .. Chelmsford. Inglaterra).


A fotografia na Fig. 1mostra um ônibus vaporThornycroft usado porGuglielmo Marconidurante seus experimentos em telegrafia sem fio ou radiotelegrafia, como era conhecido, em seguida,(Marconi está de pé à direita da foto, muito orgulhoso com boina irlandês típico).


A estrutura tubular sobre o teto do ônibus não é uma lareira, como parece à primeira vista, um foguete gigante ou espaços em branco, mas a própria antena. O receptor foi um simplesrádio de cristal, ou simplesmente "galena".


Bem, pode-se dizer que o primeiro "rádio docarro" era na verdade um"galena bus". Um jogo de palavras simples, se quiserem, mas serve para dramatizar o âmbito feito nos últimos 90 anos.


Os experimentos de Guglielmo Marconi foram interrompidas no Estados Unidos no início deste século por Lee DeForest e Nikola Tesla, os verdadeiros fundadores da radiodifusão. Lee DeForest, inventor do triode, foi um dos primeiros defensores do "carro como estações de rádio ", como ele mesmo disse em 1903. A revista da época comentou que "DeForest adapta os seus instrumentos para o carro de modo que a eletricidade que impulsiona ou pôr em marcha é explorada para a telegrafia quando o veículo está parado."


Em outras palavras, como mencionado anteriormente neste artigo, DeForest tiveram que parar o carro para utilizar o rádio ligado à mesma bateria.


A primeira instalação de um aparelho de rádio em um veículo a motor foi realizada no Estados Unidos pelo Brigadeiro-General Edgar Russell na fronteira mexicana em 1914. A Fig. 2 ilustra uma instalação típica da época, através do qual "o cidadão pode ir de férias e continuam a chegar notícias, informações sobre negócios e diárias cotações de ações através do ar", comentou o jornalista em 1917 RS Winters, um os primeiros "nuts". Sentado abaixo as "cordas penduradas roupas", que na verdade formam a antena, é Alfred H. Grebe, pioneiro de rádio, com um capital.





Fig. 2 EI pioneiro Alfred H. Grebe em seu carro. A antena parece um varal. (Esta foto é cortesia de Donald W. Matteson, consultor do Museu Henry Ford e Greenfield Village. Dearborn. Michigan, EUA.).


O precursor destes pioneiros impulso foi abrandado um pouco durante a Primeira Guerra Mundial por causa da proibição de transmissões sem fio para uso civil, a proibição foi levantada apenas em 1919. Logo após as primeiras transmissões comerciais começaram com as emissoras WWJ (Detroit) e KDKA (Pittsburgh), em agosto e novembro de 1920, respectivamente. Embora até então já tinha instalado alguns pioneiros rádios em carros (instalações pobres que tinham pouco científicos) transmissões de Frank Conrad em KDKA e especialmente aqueles de WWJ em Detroit, "pátria" docarro, eles deram o pontapé inicial, por assim dizer, a indústria de rádio emergente.


Entre 1920 e 1923 a produção de carros no Estados Unidos ascendeu a 15 milhões deveículos, enquanto na Europa foram produzidos apenas 600 mil unidades no mesmo período. Com base nesses números, seria lógico supor que as primeiras instalações foram registradas no grande país ao norte, mas isso não é assim. A primeira instalação que tem certeza foi feito pelo Cardiff e South Wales Sociedade sem fio, País de Gales, em umsedan Padrão 14 em agosto 1921 (Fig. 3). Na foto você pode ver a caixa de antena enorme montado perto do pára-lama dianteiro direito.





Fig. 3 - A primeira instalação de uma antena de quadro em um sedan standard, País de Gales. 1921, 3 de janeiro de 1953. (Esta foto é cortesia do motor, 3 de janeiro de 1953).


A instalação da sociedade Welsh pode ter sido prematura, uma vez que. foram necessários mais seis meses, até o Postmaster General de conceder uma licença 2LO Marconi Station House, em Londres. Em breve, a estação 2LO se juntou com outras cinco empresas para criar a British Broadcasting Company, que nasceu o prestigiadoBritish Broadcasting Corporation (BBC) em 1926. Enquanto isso, na Alemanha, aTelefunken introduzido em 1925 um receptor portátil Pode ser usado tanto um barco e um carro.


Deste lado do Atlântico, instalações de rádio estavam começando a preocupar as autoridades.


Em fevereiro 1920, o Escritório de Registro de Veículos do Estado deMassachusetts, propôs uma lei que proíbe o uso de rádios enquanto o veículo estava em movimento. Nos termos do regulamento proposto, "ouvir receptores de rádio em um carro em movimento distrair o condutor e pode causar acidentes para encorajá-lo a dormir durante a condução, e sintonizar o rádio para o motorista não prestar atenção à estrada".


O interessante é que os promotores da lei não perceberam que os passageiros também tinha o hábito de falar e distrair o condutor. Como seria de esperar, o projeto foi derrotado, um pouco graças aos esforços da Associação dos Fabricantes de Rádio,que anotou que os legisladores de rádio acidentes, na verdade, impedido ao invés de provocá-los como eles mantiveram o alerta de motorista para quebrar a monotonia do percurso.


Dois anos mais tarde, em 1922, um certo Earle C. Anthony, comerciante e DurantPackard, na Califórnia, anunciou que iria fabricar e distribuir um rádio com a marca "Motoradio". Sua empresa não prosperou. Nesse mesmo ano, o Automóvel Club de Kansas City, com licença especial do ocidental Radio Company, começou a transmitir as condições de tráfego nas estradas de Missouri todas as noites no 7,30 (precursor do sistema ARI de Blaupunkt no ano ' 70).


Em 1923, a Springfield Corpo Corporação foi a primeira empresa a oferecer rádios projetados especificamente para determinados tipos de carros, mas sem muita sorte, uma vez que a empresa desapareceu no ano seguinte.Nenhuma das empresas foi muito bem-sucedidos de rádio Auto Distribuidores,registradas em 1925 como fabricantes de auto-rádios.


Ele foi ligeiramente melhor duas empresas de ônibus, separados por um continente, mas cujos proprietários compartilham a mesma visão. A Califórnia Transit Company,Oakland, ea Companhia Nacional de carro a vapor, Chelmsford, Inglaterra,equipado em 1923 e 1925, respectivamente, o ônibus com fones de ouvido para que os passageiros poderiam desfrutar de programas de rádio (Fig. 4).





A Fig. 4 - Um dos primeiros autocarros equipados com um receptor de rádio. Os passageiros foram fones de ouvido disponíveis para ouvir transmissões. (Esta foto é cortesia de The Marconi Company Ltd., Chelmsford, Inglaterra).


. Princípios incerto, sem dúvida, mas começando a acabar com a indústria do rádio estava em sua infância; só precisava de alguém que, depois de receber o pontapé inicial, poderia ser premiado com o primeiro gol do campeonato.


O "Artilheiro" veio rapidamente e foi nomeado William M. Heina. Se alguém pode, sem dúvida, reivindicar o título de inventor do rádio, era o Sr. Heina, que em setembro de 1926 um pedido de patente para receptor carro sob o título de "rádio portátil" (Fig. 5).





Fig. 5 - Cópia da primeira patente para um receptor carro, concedida a William M. Heina em 1927 (Esta foto é cortesia de Donald W. Matteson, consultor do Museu Henry Ford e Greenfield Villaye, Dearborn, Michigan, EUA. UU.)


O governo dos Estados Unidos concedeu a patente em abril 1927. Heina já havia construído seus primeiros rádios de carro em sua própria empresa, HeinaphoneEmpresa, em 1925, estas rádios podem ser considerados os primeiros rádioscomerciais. Em 1927 o Heinaphone empresa foi adquirida pelo Automobile RadioCorporation, criadora do modelo Transitone famoso. Dois anos mais tarde, a Rádio automóvel foi comprado por sua vez pela Philco Corporação, a partir da qual surgiu a linha tradicional Philco Transitone. E foi para comprar esses mesmos Philco Transitone em 1929, o rodeio se tornou a primeira montadora adquiriu rádios projetados especificamente para os seus modelos. A relação comercial entre aEvasiva e Philco durou 13 anos frutíferos. (A Fig. 6 mostra uma instalação de umPhilco Transitone num carro Vauxhall.)






Fig. 6 - Instalação típica do rádio Philco em Vauxhall Transitone carro (Esta foto é cortesia de Roy W. Williams, Ford Motor Company, Basildon, Inglaterra [A Autocar 17 de março 1933]).

Era o mesmo Philco que criou, por assim dizer, a indústria de rádio nos EstadosUnidos. Tudo começou no Roosevelt Hotel em Nova York, quando a empresapatrocinou, em 1929, um suntuoso banquete que teve a participação de importantes personalidades não só da indústria automóvel em expansão (mais de 5 milhões de carros foram construídos nos Estados Unidos naquele ano), mas também da indústria de rádio emergentes (fabricantes e empresas de radiodifusão). Naquela ocasião, o público americano estava apaixonado, não apenas carros, mas também de rádio. E Philco foi a primeira empresa a perceber que desde que o casamento namoro não iria demorar muito a chegar. O dia após o casamento,Arthur Brisbane, conhecido jornalista da cadeia Hearst, pintou um futuro brilhante para o futuro da indústria de rádio.



Logo, Philco iniciou uma campanha agressiva para deixar a concorrência para trás. Em um de seus artigos, a revista Fortune disse: "A Philco literamente sobreviveu e venceu centenas de outras empresas. A empresa ganhou a sua reputação como o mais feroz, os preços mais empreendedores e mais baixas entre todas as outras indústrias de rádio ", e tudo o que estava acontecendo quando quatro milhões e meio de trabalhadores, ou dez por cento do classe trabalhadora, estavam desempregados. Em uma carreira verdadeiramente meteórica, a Philco tinha passado 25 th em 1926 entre 800 fabricantes de rádio nos Estados Unidos, pela primeira vez em 1930 's. Philco sempre foi um dos precursores do rádio: suas fileiras veio a antena linha telescópica com núcleos de ferrite, pantógrafo memória, válvulas miniatura e o primeiro rádio transistorizado totalmente. RealmentePhilco servido ao consumidor.


Mas nem todas as empresas foram as idéias altruístas. Muitas empresas tinham sistemas de tempo muito peculiares para vender seus auto-rádios. Um dos métodos mais insidiosos foi patrocinado pela empresa Ajax em 1931, que ofereceu aos clientes instalações livres, mas que exigem senha por sua vez, como o título do carro. Enquanto Ajax não inventou o famoso estratagema das letras "pirâmide" ou "cadeia", é verdade que é utilizado em larga escala. Seus clientes teve que convencer seus amigos para comprarrádios Ajax para ganhar "créditos" e recuperar o título auto. E assim por diante.


Obviamente, em pouco tempo, as pessoas correram para fora de amigos disponíveis ea possibilidade de recuperar o título desbotada. Logo, o Ajax se tornou o proprietário de centenas de carros. Mas a história teve um final feliz, como nos melhores filmes de Hollywood. O governo dos EUA interveio, o Ajax foi levado à justiça por fraude e eventualmente declarada falida.


Era evidente que, além de problemas técnicos, teve outros superar: a publicidade fraudulenta, preços elevados, instalações patéticas, serviços inexistentes, falta de fundos.


Alguém que sabia que sem dinheiro não vai a lugar nenhum foi Paul Galvin, fundador daGalvin Corporação e mais tarde se tornou Motorola. Verdadeiro pioneiro da rádio,Galvin pediu um empréstimo a um banco de Chicago em 1930.


Querendo demonstrar as possibilidades praticamente ilimitadas de sua empresa, ele fez dois de seus engenheiros, Elmer Wavering e Hank Saunders, de instalar um rádioGalvin no Packard marca banqueiro. Várias vezes durante procedimentos comerciais,Galvin deixou a mesa acompanhado pelo banqueiro como ele explicou em grande detalhe o que estavam fazendo seus engenheiros. Apenas Wavering e Saunders terminado a instalação, o banqueiro correu muito orgulhoso e feliz para um passeio para a prática.Tudo estava bem até os dois blocos começaram a namorar fogo sob o painel de instrumentos devido a um curto-circuito causado pela rádio.


Apesar deste revés, Galvin teve a solicitação de empréstimo. Muitos anos mais tarde, quando Galvin contou o episódio, ele usou para adicionar seu próprio Studebakertinha queimado dezenas de vezes durante os testes de laboratório. Wavering, entretanto, não foi demitido; Pelo contrário, em 1960 ele se tornou presidente da Motorola.


E foi mais ou menos no momento em que a polícia começou a utilizar rádios. BillBalderston, dono de uma concessionária Transitone em Chicago em 1930 (e que mais tarde se tornou presidente da Philco), ele comentou anos mais tarde: "Tivemos uma enorme garagem e durante nosso primeiro ano nós instalamos uma centena de rádios. Pouco depois de a polícia de Chicago pediu-nos para instalásemos rádios em seus carros de patrulha como o rádio WGN transportado junto com seus programas regulares, boletins de emergência da polícia. "


O engraçado é que, de repente, no meio de uma novela, por exemplo, apareceu uma chamada de emergência e todo o mundo ficou chocado ao ouvir "ao vivo" na ação policial. O problema era que os criminosos não eram estúpidos e sintonizado WGN para saber o que estava acontecendo. Finalmente, em 1931 as freqüências de rádio da polícia de Chicago tem uso exclusivo.


No início dos anos 30 a maioria das empresas americanas tem rádios baixar os seus preços, quando eles começaram a usar a linha de montagem em série, processo e que ficou famosa por Henry Ford.


A dinâmica gerada pela Cadillac e La Salle a oferecer em 1929 um quarto em seus carros exclusivamente para a instalação de rádios, foi retardado quando as vendas de automóveis começaram a cair rapidamente, três anos depois (produção de pouco mais de 1 milhão de carros) . Em 1932 a taxa de desemprego havia alcançado 25%, considerado o pior na história dos Estados Unidos.


No entanto, de continuar com a tão típico dos norte-americanos, o espírito empreendedor e otimista Ford, Chrysler e Studebaker começou a oferecer primeiros rádios em seus produtos automotivos 1934. Naquele ano de 1934 pode ser considerado como o verdadeiro início de rádio comercial, em que cerca de 250 mil auto-rádios foram vendidos nos Estados Unidos sozinho. O rádio tinha chegado. Não dava mais para um "retiro".


Os receptores superheterodyne, introduzido em 1932 pela Philco nos Estados Unidos eBlaupunkt na Alemanha, e eram comumente utilizado devido ao seu desempenho superior em termos de seletividade e sensibilidade. A introdução de válvulas multi-rack tornou possível a auto-preconceito e controle de volume automático. Até então, cada vez que o motorista estava acontecendo, não só sob as pontes, mas perto de postes ou entre edifícios, o sinal desapareceu completamente. Empresas comoFranklin, Packard, Pierce-Arrow, Jordânia e Peerless, e eles estavam oferecendoantenas em seus carros e deixou um buraco no chão, geralmente na frente do banco de trás, de modo que as baterias foram instaladas de rádio.


A indústria de rádio estava finalmente no caminho certo, tanto nos Estados Unidos e na Europa, incluindo os aspectos importantes de fabricação e produção em larga escala, rigoroso controle de qualidade, preços competitivos e especificações rigorosas.


Durante o mesmo período, na Europa, a empresa alemã Ideal Radio Telefon und Apparate Fabrik GmbH (cujo nome foi mudado para Blaupunkt Werke GmbHcinco anos depois de ter sido comprada pelo Grupo Bosch em 1933) lançado no mercado europeu a primeira rádio do carro. O receptor, um superheterodyne cinco válvulas conhecido como AS-5, foi apresentado ao público na feira de automóveis em Berlim em 1932. O rádio foi montado sob o painel e foi controlado remotamente por um painel instalado na coluna a roda (Fig. 7).





Fig. 7. O Ideal Radio Company receptor, que mais tarde tornou-Werke GmbH Blaupunkt, foi um superheterodyne montado sob o painel e foi controlado remotamente a partir da coluna de direcção. (Esta foto é cortesia de Blaupunkt Werke GmbH, Hildesheim, Alemanha).


Na Grã-Bretanha, em 1933, a Crossley foi a primeira empresa que ofereceu rádios diretamente da fábrica; no ano seguinte o Hillman fez o mesmo.


(É interessante notar que na Grã-Bretanha, como em outros países europeus, é necessária uma licença para instalar e operar rádios em carros. Posteriormente, a licença tornou-se parte de uma licença única que concede o direito de usar os dois rádios o carro como dentro de casa).



Por outro lado na Holanda, a Philips, para não ficar atrás, ela afirmou em 1934que seus rádios foram realmente o primeiro projetado especificamente para ocarro. Philips também ofereceu uma antena dipolo, fabricados pela mesma empresa, dizendo que a qualidade deste tipo de antena foi muito superior às antenas embutidas nos tectos dos sedans da época. O modelo de rádio oferecido pela Philips em 1934 era composto de três partes: a caixa principal com o próprio receptor,

um controle remoto rodada eo viva-voz.


Um aumento nas vendas ocorreu em Europa por volta do ano 1937, graças à introdução de válvulas com invólucro de metal. Quase no mesmo ano, quando a Volkswagen introduziu seu famoso Volks Rádio, vendendo rádios na Alemanha duplicou. Na Fig. 8 ilustra o modelo Autosuper 7A78 fabricado pela Blaupunkt em1938. Este modelo já teve um altifalante que forma uma parte integrante do rádio.





Fig. 8 - 7A78 Autosuper modelo Blaupunkt (1938). O orador foi integrado com o receptor. (Esta foto é cortesia de Blaupunkt Werke GmbH. Hlldesheim. Alemanha).


O Delco Radio, criado a partir da Crosley Manufacturing Company, foi comprado em1936 por General Motors, tornando-se uma subsidiária da empresa. Três anos mais tarde, durante o auge da política "New Deal" de Franklin D. Roosevelt, a Chevroletintroduziu quase simultaneamente com a Philco, o primeiro sintonizador de teclado.Um ano depois, em 1940, a Delco lançou o primeiro alto-falante do carro elíptica.


A Segunda Guerra Mundial pôs a suspensão temporária das atividades da indústria automotiva.


No final, os técnicos de rádio de carro e engenheiros aproveitou a experiência adquirida durante o mesmo compromisso renovado para continuar a criação de modelos cada vez mais sofisticados. Por exemplo, Grundig AC, uma pequena empresa alemã fundada em1927, começou a produzir rádios no final da guerra. Na Grã-Bretanha,RadioMobile foi fundada em 1946 como a primeira empresa europeia dedicada exclusivamente ao fabrico de auto-rádios. Seus modelos oferecidos pela Bentley e Rolls-Royce, consistiu em um chassi de uma peça com uma fonte de alimentação separada.


Em 1947 o Delco introduzido nos Estados Unidos a sintonização automática de rádio ("procurar e digitalizar").


Válvulas FI e transformadores miniatura apareceu em 1948. O pantógrafo sintonia, introduzido pela Ford em 1942 com modelos Adjust-O-Matie fabricados pela Zenith e Philco já estava firmemente estabelecida.Telefunken, em 1950, foi uma das primeiras empresas europeias utilizam memória teclado mecânico em seus projetos.


O desenvolvimento do transistor foi seguido com grande interesse em empresas de rádio, todos esperando por seu desempenho iria melhorar em conjunto que parece crescer mais econômico.


As rádios híbridos apareceu pela primeira vez em 1957. Usando válvulas miniatura 12V e um transistor de saída, não requerendo a placa de alta tensão aumentou o poder vibrador oferta em 1933.


Um raio híbrido está ilustrado na fig. 9, o modelo TCR 2000X, fabricado pela empresa britânica Pye nos anos 60; quatro válvulas miniatura ficar em cima da foto.Tendo a projetar o rádio em um espaço pequeno o suficiente para atender as normasDIN, o Pye foi forçado a dividir o circuito em dois chassis. Na Fig. 10 mostra claramente uma vista interior do conteúdo chassis do estágio de saída transistor com transformador de acoplamento.





A Fig. 9 - Nesta figura o receptor TCR2000X Pye ilustrado. Era um projeto híbrido, com transistores e válvulas. (Esta imagem é cortesia de Jayne Hart, Ford Motor Company, Dunton, Inglaterra).


Rumo ao fim da década de 50, tanto Delco como Philco intensamente dedicada à física do estado sólido para desenvolver semicondutores práticos e econômicos. Em 1958, a Delco introduziu um rádio portátil totalmente transistorizado conhecido como transportáveis ​​(Oldsmobile) ou Sportable (Pontiac). Na Europa, os rádios totalmente transistorizados começou a ser oferecido pela Blaupunkt, Philips e Pye nos meados dos anos 50, mas teve que esperar uma década para ser uso prático em um carro.






A Fig. 10 - O mesmo receptor à figura 9, mas mostrando o circuito do transístor .. transformador acoplado.[Foto de cortesia da lista Jayne Hart. Ford Motor Company, Dunton, na Inglaterra.)

Os problemas técnicos associados à introdução do transistor não foram resolvidos até meados dos anos 60. Foi nessa década que transmite FM começou a tomar cada vez mais importância, a década em que foi apresentado não só osBeatles e os "hippies" de San Francisco, mas também a radioestereofonía, osleitores de cassetes e " jogadores 8-track ".

TEMPO